PUBLICIDADE

Publicidade

Diretora do FMI diz que Brasil ‘continua a se sair bem’ e elogia plano de economia verde do País

Segundo Kristalina Georgieva, crescimento global para este ano é projetado em 3,1%, inferior à média de 3,8% de antes da pandemia

Por Gabriel Bueno da Costa

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, afirmou que a economia do Brasil “continua a se sair bem”, além de acrescentar que reformas políticas aprovadas devem colaborar para elevar a perspectiva de crescimento do País, bem como o padrão de vida dos brasileiros.

PUBLICIDADE

A declaração foi dada durante a primeira reunião de ministros das finanças e presidentes de bancos centrais do G-20, em São Paulo — o FMI divulgou no fim desta sexta-feira, 1º, a fala da autoridade.

Georgieva agradeceu o governo brasileiro “por sua acolhida e hospitalidade”. Também cumprimentou o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, “por seu compromisso excepcional para nos liderar em uma agenda ambiciosa do G-20 para construir um futuro mais equitativo, próspero, sustentável e cooperativo”, com um sistema monetário internacional “forte” como sua fundação.

A diretora-gerente do FMI ainda elogia os planos de autoridades para garantir uma transformação do Brasil em uma economia “sustentável, inclusiva e verde”. Além disso, diz reconhecer o País como “líder global quando se fala em inovação financeira”.

Kristalina Georgieva, diretora do FMI, esteve no Brasil para encontro dos ministros de finanças do G-20 Foto: MARCELO CHELLO / ESTADÃO

Riscos à economia global

Georgieva afirmou ainda que a economia global caminha para um pouso suave, mas ressalvou que isso ainda não está garantido.

Segundo ela, com a recente melhora da perspectiva global no curto prazo, o G-20 tinha a oportunidade de reconstruir o impulso político e enfrentar desafios econômicos de médio prazo. Ela notou que o crescimento global para este ano é projetado pelo FMI em 3,1%, enquanto a inflação recua mais rápido que o esperado. “Em nosso cenário-base, a inflação cheia global deve cair a 5,8% neste ano, e a 4,4%, no próximo”, afirmou.

O quadro é “encorajador”, considerou, mas ela ponderou que os riscos são de baixa. Um deles é que a inflação se mostre mais persistente, o que poderia resultar em choques geopolíticos e problemas na oferta, como condições financeiras mais relaxadas, que poderiam desacelerar a normalização da política monetária.

Publicidade

Por outro lado, Georgieva disse que poderia haver riscos de alta, caso a inflação caísse ainda mais rápido que o previsto.

A diretora-gerente do FMI disse que não se deve ser complacente, pois o crescimento ainda é fraco, inferior à média de 3,8% de antes da pandemia da covid-19. Além disso, em muitos casos a fraqueza decorre da baixa produtividade. Ela ponderou que, caso os juros precisem ficar elevados por mais tempo, isso pode elevar riscos no setor financeiro, o que requer vigilância.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.