Publicidade

Petrobras será ‘esverdeada’, mas sem matar a galinha dos ovos de ouro, diz novo diretor da estatal

Maurício Tolmasquim assumiu nova área na Petrobras que vai tocar os projetos de transição energética e sustentabilidade

Foto do author Aline Bronzati
Por Aline Bronzati (Broadcast)
Atualização:
Foto: André Luiz Mello/Agência Estado
Entrevista comMaurício TolmasquimDiretor de Transição Energética e Sustentabilidade da Petrobras

HOUSTON (EUA)- A atual gestão da Petrobras quer deixá-la mais verde, mas, apesar de temores no mercado, não será às custas do negócio principal, a exploração e produção de petróleo - o que dá lucro e engorda o seu caixa. O objetivo é investir em novas tecnologias de energia renovável como a eólica em alto mar (offshore) e também em opções mais maduras, na linha do que pares globais já têm feito. Para chegar lá, um caminho considerado é retomar parcerias no exterior, em especial, nos Estados Unidos, que saiu na dianteira após a aprovação da Lei de Redução da Inflação, o Inflation Reduction Act, na gestão do presidente Joe Biden.

A atual gestão da Petrobras quer deixá-la mais verde, mas não será às custas do negócio principal, a exploração e produção de petróleo, aponta Maurício Tolmasquim  Foto: André Luiz Mello/Agência Estado

A agenda está sob o guarda-chuva da nova diretoria de transição energética e sustentabilidade, capitaneada por Maurício Tolmasquim, criada no âmbito do ajuste organizacional feito pela gestão de Jean Paul Prates, alçado à presidência no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e que entrou em vigor nesta semana. “A Petrobras vai se transformar em uma empresa de energia, mas o petróleo continuará sendo o centro da sua geração de caixa e receitas. Não vamos matar a galinha dos ovos de ouro”, diz o executivo, em entrevista ao Estadão/Broadcast, durante a Offshore Technology Conference (OTC), maior evento da indústria de petróleo e gás no mar, em Houston (EUA).

Para Tolmasquim, não se trata só de ética. O movimento verde é uma questão de sobrevivência para a Petrobras. Apesar da ausência de Prates no maior evento global de petróleo e gás em alto mar, Tolmasquim afirma que a empresa foi “muito bem-recebida” no Texas, com uma agenda cheia de encontros com investidores e potenciais parceiros internacionais. Dentre os negócios já encaminhados, está a possibilidade de um memorando de entendimentos com a prefeitura de Houston para reduzir emissões de carbono. Seguindo os passos da “capital do petróleo” do Texas, a Petrobras estuda implantar um hub no Brasil para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, causadoras das mudanças climáticas.

Ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), vinculada ao Ministério de Minas e Energia (MME), durante os governos Lula e Dilma, Tolmasquim foi ainda secretário executivo da pasta. Abaixo, os principais trechos da entrevista:

Como foi a recepção em Houston, com a nova área de transição energética sob o seu comando e a gestão da Petrobras no governo de Luiz Inácio Lula da Silva?

Fomos muito bem recebidos. A criação da nova diretoria está sendo muito bem recebida não só no Brasil, mas aqui também. Em todas as conversas, esse é um dos temas. A Petrobras era uma das poucas grandes empresas de petróleo que não tinha uma área de alto nível tratando questões de transição energética, estava muito fora do contexto das demais petroleiras.

O que a nova diretoria levará de Houston?

Estou tendo uma série de encontros. Um deles foi na Prefeitura de Houston, onde estavam grandes empresas petrolíferas tratando da captura e armazenagem de CO2. Em 2022, a Petrobras reinjetou 10 milhões de toneladas, um quarto de tudo que foi reinjetado no mundo. Foi a empresa que mais reinjetou CO2 no mundo em 2022, mas queremos ir adiante.

Como?

Houston tem um hub de projetos de CO2 com potencial para chegar a 100 milhões de toneladas. O que está se discutindo aqui são coisas de outra dimensão. Tivemos uma reunião para ver a possibilidade de intercâmbio e de um memorando de entendimento com a prefeitura de Houston, com o objetivo de analisar a cooperação nessa área de CO2. No pré-sal, o gás é reinjetado no próprio reservatório de petróleo. Queremos, no Brasil, injetar CO2 em outras formações geológicas que não têm a ver com petróleo. Vamos fazer um projeto piloto no Rio de Janeiro para o nosso hub de CO2. Tem aí um caminho interessante. Mas esse é um exemplo.

Publicidade

Outros negócios foram fechados? O que a Petrobras deve levar de Houston?

De concreto, é o memorando [com a Prefeitura de Houston]. Teve uma série de outros contatos que podem resultar em negócios. Tive uma quantidade enorme de reuniões. Uma das nossas filosofias é fazer tudo em parceria com outras empresas. A parceria é uma maneira de compartilhar conhecimento, dividir riscos, transferir tecnologia e compartilhar investimentos. Ainda não temos o novo Plano Estratégico, mas estamos discutindo a possibilidade de voltar a ter iniciativas no exterior, em parcerias com algumas empresas.

Em quais áreas e em quais países?

Os Estados Unidos viraram o principal foco de atenção. O apoio financeiro dado aos projetos daqui é muito grande. Passou a ser muito atrativo ter alguma iniciativa conjunta com alguma empresa por causa do benefício do subsídio do Tesouro americano. É possível alavancar projetos que eventualmente não seriam competitivos e que se tornam altamente atrativos. Eles ajudam a “esverdear” a produção da empresa, tendo lucro ao mesmo tempo. É algo interessante. A Europa estava muito na frente, mas a lei “Inflation Reduction Act” catapultou os EUA ao primeiro plano porque a quantidade de recursos para hidrogênio verde, CO2, energia eólica é bastante significativa.

No Brasil, a situação fiscal inviabiliza uma lei nessa linha?

Não cabe a gente da Petrobras comentar isso. É mais uma questão de governo, mas olhando como empresa a gente vê uma oportunidade nos Estados Unidos. Gostaríamos de ter isso no Brasil [uma lei como a dos EUA], mas tem as restrições do País. Por isso, as parcerias fazem sentido.

O senhor acaba de assumir uma nova área na Petrobras e que vai tocar os projetos de transição energética e sustentabilidade. Qual a estratégia e o volume de investimentos previstos para os próximos anos?

Os números e os detalhes vão sair somente no Plano Estratégico, em novembro. As grandes diretrizes que a empresa está pensando em investir são atividades ligadas a descarbonização e energias renováveis. Outra é acabar com essa proibição de atuar fora do Brasil, ter a possibilidade de ter alguma parceria e a área de transição energética seria uma forte candidata para isso. Uma questão importante é a modernização do parque de refino já com uma lupa para energias renováveis. A ideia é modernizar, expandir as refinarias existentes, mas levando em consideração que o mundo está em uma condição diferente hoje, de que é necessário enfrentar as mudanças climáticas. Também é fundamental olhar a questão regional do País.

A Petrobras quer se expandir no exterior e no Brasil?

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A Petrobras está se transformando em uma empresa só do Sudeste. A gente acha que a Petrobrás tem de ser uma empresa do Brasil. É claro, vai produzir petróleo onde tem, mas é possível aproveitar as especificidades regionais como a eólica no Nordeste, solar em algumas outras regiões. Podemos aproveitar esses diferentes potenciais para ter uma atuação mais nacional, que é uma demanda legítima dos estados. Mas a gente só vai para lá se a atividade for rentável. A ideia não é ir apenas por ir. A gente quer olhar novas tecnologias, eólica offshore, e também aquelas maduras e que dão retorno no curto prazo. O foco é ter um portfólio diversificado.

A Petrobras estava atrasada na transição energética?

No que diz respeito à descarbonização, a Petrobras está muito bem. Agora, onde a empresa está bem atrasada é na parte dos seus produtos. É além do petróleo, produzir energia elétrica a partir de fontes renováveis, biocombustíveis. Quando você pega o teu combustível, deixa de queimar e transforma, por exemplo, em um plástico, você está evitando a emissão de CO2. Na hora que você faz lubrificante, por exemplo, você está deixando de queimar o combustível, também está capturando CO2. Tudo isso é o que chamo de “esverdear” o produto da Petrobras. Tornamos o processo mais verde, mas o produto não. Esse é o grande desafio e nisso a Petrobras está realmente atrasada e a gente tem de recuperar o tempo perdido.

O setor de óleo e gás tem sido colocado como fundamental para a transição energética. O investimento em novas energias renováveis afeta a quantia de dinheiro voltada à produção de petróleo e gás?

Não vamos fazer novas atividades em detrimento do upstream [exploração e produção de petróleo]. A Petrobras é uma empresa de petróleo e ela vai se transformar em uma empresa de energia, mas o petróleo continuará sendo o centro da sua geração de caixa e receitas. Não vamos matar a galinha dos ovos de ouro. O pré-sal foi um bilhete premiado que o País recebeu e a Petrobras também. Não vamos rasgar esse bilhete, mas é possível usar parte desse recurso para alinhar a Petrobras com as outras do mundo. Isso não tem a ver com questão ética em relação às mudanças climáticas ou o Planeta, ou o Brasil, é claro que é importante, mas é uma questão de estratégia de sobrevivência da empresa no longo prazo.

Publicidade

Por quê?

Cada vez mais, existem restrições para os financiadores alocar capital. Temos recebido bancos que querem saber qual é a nossa política, e, a mesma coisa, com o investidor. Tem vários fundos de pensão que têm cada vez mais critérios de governança que os impedem de ter uma carteira maior em projetos que emitem [CO2]. A questão não é apenas da Petrobras investir na transição, criar diretoria, sob a visão ética, é fundamental do negócio, do business, de manter a empresa atrativa internacionalmente. Podemos ver o que aconteceu com o País, que acabou quase virando um pária internacional. Não queremos que isso aconteça com a nossa empresa. É uma questão que não dá para ignorar. Todas as grandes empresas de petróleo já sabem disso. Não é a Petrobras que está inventando. Estamos apenas tentando chegar próximo das outras empresas.

E qual a projeção para energia eólica offshore?

Estamos ainda começando, não dá para ter projeções. Vamos anunciar no Plano Estratégico, que será divulgado em novembro.

E o senhor continua dedicado ao Plano Estratégico da Petrobras? Como fica isso com a nova função?

Não, estou saindo do Plano Estratégico. Só estava dando uma força enquanto não estava no cargo [diretor de transição energética e de sustentabilidade], mas é incompatível, não tem como acumular. Ainda não está escolhido o sucessor. Temos um interino.

Para quando a empresa prevê aumentar a oferta de gás para o mercado? Mais ações para impulsionar a oferta de gás no Brasil estão previstas?

A conclusão da rota 3, que visa ampliar o escoamento de gás natural dos projetos em operação na área do pré-sal da Bacia de Santos, vai permitir aumentar a oferta de gás para o mercado e é um elemento importante. Estamos agindo, os preços do gás foram anunciados, houve redução e temos interesse de atender, sobretudo, a indústria, que é para onde o gás é prioritário.

Quando?

Tem um mito de que o Brasil não aproveita todo o gás e não é verdade. O País produz 140 milhões de metros cúbicos de gás por ano, 50% vão para o mercado e 50% falam que é perda, mas não é. Quarenta por cento vão para CO2, que tem de reinjetar para não ir para a atmosfera, para aproveitar melhor o reservatório. Quarenta por cento é gás natural que tem que reinjetar para aproveitar melhor o reservatório para sair mais petróleo. É uma necessidade técnica. Tem 10% que não tem consumo porque não tem mercado, que é o caso de Urucu (campo em Coari, interior do Amazonas). E os outros 10% serão resolvidos com essa rota 3. Então, não tem essa perda. Temos de tentar aumentar a oferta através de descobrimentos de novas reservas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.