Publicidade

Empresa faz primeiro teste de táxi voador em Nova York; veja vídeo

Teste da Joby Aviation foi considerado bem-sucedido; empresa planeja fornecer o serviço de táxi aéreo a passageiros a partir de 2025

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A empresa Joby Aviation, com sede na Califórnia, realizou com sucesso no último domingo, 12, um teste de seu táxi voador em Nova York. Segundo a Joby, foi o primeiro voo de um veículo do tipo na cidade e a primeira vez que a empresa voou em um ambiente urbano.

A Joby desenvolve aeronaves elétricas de decolagem e pouso vertical (eVTOL, na sigla em inglês), também conhecidos como “carros voadores”, e planeja fornecer o serviço de táxi aéreo a passageiros a partir de 2025. A empresa está desenvolvendo o serviço em parceria com a Delta Air Lines e espera que Nova York seja um de seus primeiros mercados após receber a certificação da Federal Aviation Administration (FAA), órgão regulador dos EUA.

JoeBen Bevirt, fundador e CEO da Joby Aviation, perto do táxi voador em Nova York.  Foto: Roselle Chen/Reuters

PUBLICIDADE

De acordo com a Joby, os voos terão capacidade para quatro passageiros, que poderão voar até cerca de 160 quilômetros com uma única carga. A expectativa da empresa é de que a viagem de Manhattan até o Aeroporto Internacional John F. Kennedy (JFK), que pode levar mais de uma hora de carro, possa ser realizada em apenas sete minutos pela aeronave.

“Planejamos fazer com que o voo silencioso e sem emissões se torne uma realidade cotidiana e acessível para os nova-iorquinos, ao mesmo tempo que reduzimos significativamente o impacto do ruído dos helicópteros”, diz JoeBen Bevirt, fundador e CEO da Joby Aviation.

A Joby e a Delta afirmam que trabalham junto à autoridade portuária de Nova York e à Corporação de Desenvolvimento Econômico da cidade para planejar as operações iniciais, o que inclui o desenvolvimento de infraestrutura no JFK e no Aeroporto Internacional LaGuardia, por meio de investimentos da Delta em seus hubs nos dois aeroportos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.