Publicidade

Publicidade

Funcionários de bancos do Vale do Silício perderam investimentos em ações após quebras

Instituições incentivaram trabalhadores a comprar ações da empresa; funcionários de alto escalão recebiam grande parte de seus salários em prêmios de ações

Foto do author Redação
Por Redação

Os funcionários do Silicon Valley Bank (SVB) e do First Republic Bank perderam investimentos com a quebra dos bancos neste ano. Os dois credores com sede na Califórnia, Estados Unidos, incentivaram trabalhadores de todos os níveis a comprar ações da empresa, e os funcionários de alto escalão muitas vezes recebiam grande parte de seus salários em prêmios de ações. Ambos os bancos atendiam clientes do setor de tecnologia, o que também alimentou uma cultura de funcionários como acionistas.

Agora, as ações das empresas, que antes eram vendidas por centenas de dólares cada, valem centavos nas negociações de balcão. Os funcionários estão enfrentando uma perda vertiginosa de dinheiro, de acordo com entrevistas com mais de uma dúzia de funcionários atuais e antigos. Alguns também perderam seus empregos.

Instituições incentivaram trabalhadores a comprar ações da empresa; funcionários de alto escalão recebiam grande parte de seus salários em prêmios de ações. Foto: Brittany Hosea-Small/Reuters

PUBLICIDADE

Na SVB, funcionários de todos os níveis podiam comprar ações da empresa com 15% de desconto, de acordo com um folheto de benefícios. As ações do SVB representavam 18% dos ativos do plano de aposentadoria, uma quantia alta em uma empresa de capital aberto, de acordo com uma análise do National Center for Employee Ownership. “Éramos quase todos acionistas e com orgulho”, disse o vice-presidente executivo da divisão de Vinhos da SVB, Rob McMillan.

No First Republic, os funcionários podiam comprar até cerca de US$ 22.000 por ano em ações com um desconto de 15%, de acordo com os funcionários e a página de benefícios. Quase dois terços dos funcionários participaram do programa de compra de ações, de acordo com um documento regulatório.

Em 10 de março, dia em que o SVB quebrou, a chefe de recursos humanos do First Republic, Mollie Richardson, disse em uma reunião de funcionários de RH que era um bom momento para comprar ações por meio do programa de compra de funcionários, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

“As posições de capital e liquidez do First Republic são muito fortes”, disseram o CEO Mike Roffler e o presidente executivo Jim Herbert em uma declaração pública em 12 de março, dia em que outro credor, o Signature Bank, com sede em Nova York, quebrou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.