Publicidade

Governo aumenta para 12% mistura obrigatória de biodiesel no diesel a partir de abril

Impacto da medida será de R$ 0,02 por litro nas bombas; cronograma prevê um aumento escalonado para 15% até 2026

Foto do author Marlla Sabino
Foto do author Sofia  Aguiar
Por Marlla Sabino e Sofia Aguiar (Broadcast)

BRASÍLIA – O governo definiu nesta sexta-feira, 17, um novo cronograma para elevar o porcentual de mistura obrigatória do biodiesel ao óleo diesel. A partir de abril, a mistura passará dos atuais 10% para 12%. Segundo os cálculos, o impacto será de R$ 0,02 por litro nas bombas.

PUBLICIDADE

O cronograma prevê ainda, segundo o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, um aumento escalonado. O porcentual passará para 13% em 2024, para 14% em 2025 e 15% em 2026. Contudo, os porcentuais podem ser revistos. Segundo o chefe da Pasta, o efeito nas bombas é de R$ 0,01 por litro a cada porcentual da mistura elevado.

As datas para aumento da mistura foram definidas em reunião do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) nesta manhã, que contou com a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Logo após o encontro, Silveira agradeceu a presença do chefe do Executivo e afirmou que o encontro foi muito produtivo e que houve consenso e unanimidade na decisão sobre a mistura do biodiesel.

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, e o presidente Lula, durante 1° Reunião Extraordinária do Conselho Nacional de Politica Energética Foto: Wilton Junior/Estadão

O ministro ressaltou que, no passado, a mistura chegou a ser de 13% e voltou para 10% durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro.

“Já era para estar em 15%, conforme o que estava aprovado, mas fizemos estudos técnicos profundos para evitar que tivesse impacto econômico muito grave no preço do diesel e, portanto, chegamos à conclusão que o número mais coerente, que não impacta praticamente nada, é R$ 0,01 a cada 1% em sua composição hoje”, disse Silveira a jornalistas, citando que a mistura em 15% já tem uso praticamente pacificado em vários países.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.