Publicidade

Governo busca parceria para elevar subsídio do Minha Casa, Minha Vida e zerar entrada, diz ministro

Segundo Jader Filho, ministério negocia com a prefeitura e o governo de São Paulo para que cada um entre com mais R$ 20 mil; subsídio poderia alcançar R$ 95 mil

Foto do author Circe Bonatelli
Por Circe Bonatelli (Broadcast)
Atualização:

O ministro das Cidades, Jader Barbalho Filho, disse nesta terça-feira, 26, que a pasta está trabalhando para firmar parcerias com Estados e prefeituras interessadas em oferecer subsídios complementares que ajudem a população a comprar imóveis do Minha Casa, Minha Vida (MCMV), até mesmo zerando a necessidade de uma parcela de entrada.

PUBLICIDADE

“Muitas famílias têm dinheiro para as parcelas, mas não para a entrada. Estamos discutindo justamente isso com a Casa Civil e o presidente Lula. Queremos lançar o Minha Casa, Minha Vida ‘Cidades’ com parcerias com Estados e municípios para que o subsídio possa ser aumentado”, afirmou, em entrevista à imprensa.

Neste ano, o governo aprovou a elevação do subsídio para compra de moradias no programa pelas pessoas de menor renda de R$ 47,5 mil para até R$ 55 mil. Jader Filho disse que a pasta está negociando com a prefeitura e o governo de São Paulo, por exemplo, para que cada um entre com mais R$ 20 mil.

Minha Casa Minha Vida é o programa habitacional e uma das principais "marcas" dos governos petistas Foto: Sergio Castro / Estadão

Assim, o subsídio poderia alcançar R$ 95 mil — dispensando o pagamento de um aporte inicial pela população. “Isso poderia zerar as entradas e trazer muito mais famílias para o financiamento. Com isso, o MCMV vai fortalecer o combate à falta de habitação”, destacou.

O ministro participou do Fórum Brasileiro de Incorporadoras (Incorpora 2023), evento que reúne empresários da construção e autoridades públicas, organizado pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.