Publicidade

A Grécia, devastada há uma década, está bombando

Economia grega cresce mais rapidamente que a da zona do euro, e desemprego, embora alto, está no menor nível em mais de dez anos; ainda há riscos elevados

Por Liz Alderman

ATENAS, Grécia - Paris Skouros apontou para o céu do lado de fora de seu escritório em Atenas em um dia de semana recente. Nos últimos seis meses, surgiram quatro arranha-céus, construídos por construtores gregos e internacionais para serem vendidos para arrendamento turístico, investimentos imobiliários estrangeiros e escritórios de empresas. Mais longe, uma nova safra de novos edifícios pontilhava o horizonte.

PUBLICIDADE

A crise financeira da Grécia quase arruinou a Skouros & Sons, sua empresa de elevadores. Anos de duras medidas de austeridade impostas por resgates internacionais foram dolorosos, disse Skouros, à medida que novas construções estavam paralisadas. Mas agora, o país começou uma recuperação econômica.

“Durante a crise, queríamos apenas sobreviver”, disse Skouros, enquanto o som de martelos batendo em chapas metálicas ressoava em sua oficina. “Agora somos rentáveis e os negócios estão tão fortes que não conseguimos encontrar trabalhadores suficientes para acompanhar a procura.”

Turistas observam a Acrópole do topo da Colina de Marte, em Atenas, em setembro de 2023: uma das economias que mais cresce na Europa  Foto: Marco Arguello/The New York Times

Carregada de dívidas que não conseguiu pagar, a Grécia quase quebrou a zona do euro há uma década. Hoje, é uma das economias que mais cresce na Europa. Num reconhecimento significativo da recuperação do país, as agências de crédito têm melhorado a sua avaliação da dívida da Grécia e aberto a porta para grandes investidores estrangeiros.

A economia cresce a um ritmo duas vezes superior à média da zona euro e o desemprego, embora ainda elevado, de 11%, é o mais baixo em mais de uma década. Os turistas voltaram em massa, alimentando um frenesi de construção e novos empregos. Empresas multinacionais, como Microsoft e Pfizer, estão investindo na Grécia. E os bancos que quase faliram melhoraram estão novamente abertos a empréstimos, beneficiando a economia em geral.

A Grécia ainda enfrenta riscos. A sua montanha de dívida diminuiu, mas, representando 166% da economia, está entre as mais altas do mundo. Os bancos do país ainda detêm uma pilha de empréstimos inadimplentes que é maior do que a média europeia. E a miséria da austeridade ainda é recente para algumas pessoas, agravada pela inflação teimosamente elevada alimentada pela guerra da Rússia na Ucrânia.

John e Paris Skouros, irmãos e proprietários da empresa de elevadores Skouros & Sons, nos seus escritórios em Atenas: da quase falência à retomada  Foto: Marco Arguello/The New York Times

O primeiro-ministro do país, Kyriakos Mitsotakis, um político conservador favorável aos negócios, foi reeleito por uma vitória esmagadora em junho, depois de ter sido elogiado por estimular a recuperação econômica através da redução de impostos e da dívida. O governo reduziu a burocracia para as empresas e aumentou o salário mínimo. O país está até devolvendo dinheiro do resgate internacional antes do previsto.

Publicidade

Mitsotakis saudou o regresso da Grécia às graças dos investidores. “Nunca permitirei que revivamos o trauma de uma falência nacional”, disse ele recentemente.

A Grécia tornou-se o centro da crise da dívida da Europa depois da implosão de Wall Street em 2008. A Irlanda, Portugal e o Chipre também foram forçados a aceitar resgates internacionais. Mas a Grécia sofreu o pior, necessitando de três pacotes de resgate de 2010 a 2015, totalizando 320 bilhões de euros (R$ 1,7 trilhão) com termos de austeridade amargos. Os rendimentos familiares e as pensões foram reduzidos. A economia encolheu um quarto e centenas de milhares de empresas faliram quando os bancos fecharam. Em 2013, quase um terço dos gregos estavam desempregados.

“Gostaríamos que a austeridade fosse mais branda, mas as medidas foram a contribuição grega para se salvar”, disse Yannis Stournaras, antigo ministro das Finanças, chefe do banco central da Grécia e membro do conselho do Banco Central Europeu. “A Grécia teve de tomar medidas difíceis para sobreviver.”

Turistas e moradores locais compram peixe no mercado central de Atenas, em setembro de 2023: pior fase da crise já passou  Foto: Marco Arguello/The New York Times

PUBLICIDADE

A Grécia saiu dos rigorosos controles fiscais dos programas de resgate em 2018, e as ações do governo desde então ganharam a confiança da União Europeia. Em 2021, os políticos de Bruxelas aprovaram mais de 30 bilhões de euros para investimentos climáticos na Grécia, parte de um esforço mais amplo para reforçar as economias da UE após os confinamentos da covid-19.

Este mês, a DBRS Morningstar, uma agência de rating de crédito global reconhecida pelo BCE, elevou a classificação da dívida da Grécia para grau de investimento, uma medida que abre a porta a fundos de pensões e a outros grandes investidores para comprarem obrigações emitidas pelo governo. E isso reduzirá os custos dos empréstimos para as famílias, as empresas e o governo, depois de o BCE ter aumentado as taxas de juro para combater a inflação.

Canteiro de obras na ilha de Mykonos, na Grécia, em maio de 2023: turismo disparou e alimentou um frenesi de construção de hotéis Foto: Marco Arguello/The New York Times

A Moody’s, uma das maiores agências de rating de crédito, elevou a classificação da dívida da Grécia em 15 de setembro em dois níveis, pouco abaixo do grau de investimento, citando “mudanças estruturais profundas” na economia, nas finanças e no sistema bancário do país.

Os investidores não perderam tempo. A Microsoft está construindo um centro de dados de um bilhão de euros a leste de Atenas. Mais a norte, a Pfizer vai fazer um centro de investigação de 650 milhões de euros. Empresas americanas, chinesas e europeias estão promovendo acordos de energias renováveis. Há previsão de investimentos da Cisco, JPMorgan, Meta e outras multinacionais, que devem ter um impacto econômico muitos bilhões de euros nos próximos anos.

Publicidade

Turistas esperam para embarcar num ferry no porto de Pireu, na Grécia, em setembro de 2023: retomada do turismo impulsiona economia grega  Foto: Marco Arguello/The New York Times

Bem mais de 10 milhões de turistas invadiram a Grécia neste verão, apesar de uma onda de incêndios florestais, gerando receitas estimadas em mais de 21 bilhões de euros. A construção aumentou no continente e nas populares ilhas gregas, impulsionada pela crescente procura de hotéis, aluguéis de Airbnb e um programa que permite aos estrangeiros obter um visto para viver no país se comprarem pelo menos 500.000 euros em imóveis na Grécia.

Roula Skouros, gestora de um hotel na cidade de Trípoli, não espera que a classificação de grau de investimento da Grécia melhore a sua vida. “Alguém que talvez trabalhe no banco ou no mercado de ações provavelmente será afetado, mas eu não”, disse Skouros, que não tem parentesco com Paris Skouros.

Seu salário sempre girou em torno do salário mínimo, disse ela. Mas com a inflação galopante nas bombas de gasolina e nos supermercados, uma economia melhorada “não significa nada se não pudermos comprar gasolina e comida”, disse Skouros.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.