PUBLICIDADE

Publicidade

Guedes comete ato falho e admite sondagens para tirá-lo do governo

Ao lado de Bolsonaro, o ministro da Economia mostrou desconforto com as informações de que parte da ala política do governo teria ido ao BTG atrás de um substituto para si

Foto do author Eduardo Rodrigues
Foto do author Lorenna Rodrigues
Foto do author Eduardo Gayer
Por Eduardo Rodrigues , Lorenna Rodrigues (Broadcast) e Eduardo Gayer
Atualização:

BRASÍLIA - Ao confirmar o nome de Esteves Colnago para o cargo de secretário especial de Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Paulo Guedes cometeu um ato falho ao confundi-lo com o banqueiro André Esteves, do BTG

'Muita gente da ala política andou fazendo pescaria lá [no BTG]', disse Guedes. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters - 22/10/2021

PUBLICIDADE

Ao lado do presidente Jair Bolsonaro, Guedes aproveitou o erro para mostrar o desconforto com as informações de que parte da ala política do governo teria ido ao próprio BTG para encontrar um substituto para si na cadeira de ministro da Economia. O ex-secretário do Tesouro Nacional e atual economista chefe do BTG, Mansueto Almeida, seria o alvo dessa sondagem.

"Uma ala política foi no André Esteves perguntar se o BTG poderia emprestar o Mansueto se eu saísse. Sei que o presidente Bolsonaro não pediu isso, porque ele confia em mim e eu confio nele, mas muita gente da ala política andou fazendo pescaria, inclusive lá (no BTG)", ironizou Guedes. 

E hoje em painel do 20º Fórum Empresarial Lide nesta manhã, o sócio-sênior do BTG Pactual André Esteves afirmou que o País está passando por um momento de perda de credibilidade por uma fraqueza institucional. Para o sócio do BTG, a semana foi marcada por uma "derrapada" e é um erro flexibilizar o teto de gastos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.