PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Ex-presidente do BC e sócio da Rio Bravo Investimentos

Opinião|Pergunta sobre os 30 anos do Plano Real à ferramenta mais popular de IA resulta em elogios

Modelos que formam base da ferramenta de inteligência artificial constroem texto a partir de material existente na internet: trata-se de produto da soma de tudo que se escreveu, a ‘mediana das opiniões’

Foto do author Gustavo H.B. Franco

Estamos a três dias de distância do trigésimo aniversário da URV, que era como o real se chamava na sua criptoexistência como moeda de conta.

PUBLICIDADE

Aproveitando a ocasião, e a efervescência dos assuntos tecnológicos, fui perguntar à ferramenta mais popular de IA sobre os 30 anos do Plano Real, e vi muitos elogios. Não estou acostumado.

Há uns reparos, mas todos sobre desafios remanescentes – como acabar com a pobreza, por exemplo – que não eram parte do plano.

Que não se perca de vista que os large language models que formam a base da ferramenta de IA, constroem texto a partir de material existente na internet, portanto, trata-se de produto da soma de tudo que se escreveu.

Mais ou menos como na opção autocomplete que existe no Whatsapp, e que é bem conhecida de seus usuários, inclusive pelas gafes que nos faz cometer.

Publicidade

Se assim é, então a pergunta sobre o real deveria refletir nada mais que a mediana das opiniões. É claro que isso não é fácil de se fazer, sobretudo nos assuntos muito controversos, nos quais a IA fica “defensiva” e protegida por clichês.

Há certa discussão sobre se a ferramenta tem viés ideológico pois não é simples formar médias de substâncias que não se misturam. O leitor pode apenas imaginar a temperatura dessa discussão quando se trata de assuntos de guerra cultural.

Pergunta sobre o real à ferramenta de IA deveria refletir nada mais que a mediana das opiniões.  Foto: JF Diorio/Estadão

O fato é que os economistas brasileiros conhecem muito de estatística, e especialmente as medianas. A pesquisa Focus, publicada pela Banco Central pela manhã todas as segundas feiras, trabalha com medianas de expectativas de mais de uma centena de instituições especializadas. Essas medianas são a base da operação da política monetária, a bússola para o sistema de “metas para a inflação”.

O Focus, ou o sistema de expectativas de mercado, foi criado pelo BC junto com o Copom, em 1996, primeiro de um jeito muito informal. Mas depois foi magnificamente aperfeiçoado quando se consolidou o sistema de Metas a partir de 1999.

Um dos efeitos da ferramenta foi demonstrar a força da mediana, ou dos grandes números, para reduzir a importância de previsões individuais. Os vaticínios muito agourentos, bem como os “chapa-branca”, acabam sumindo no burburinho de inúmeros fulanos e beltranos que sabem fazer conta.

Publicidade

Não será interessante pensar que a inteligência artificial permite que se produza algo semelhante, uma espécie de “mediana das opiniões”? Inclusive corrigindo pelo engajamento? Ou será ingênuo pensar assim? Será por isso que a IA tem um julgamento positivo sobre o Plano Real? Ou será por que deu certo mesmo?

Opinião por Gustavo H.B. Franco

Ex-presidente do Banco Central e sócio da Rio Bravo Investimentos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.