Publicidade

Juros futuros têm novo dia de alta na BM&F

Por Denise Abarca e da

Após esboçarem alívio no início da tarde, os juros futuros voltaram a subir na hora final da negociação normal da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), em movimento atribuído pelos operadores a fatores técnicos e à antecipação de operações relacionadas ao leilão de títulos prefixados do Tesouro Nacional amanhã.

PUBLICIDADE

 O contrato futuro de depósito interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2011 (370.485 contratos negociados hoje) projetava taxa de 10,38% ao ano, de 10,36% no ajuste de ontem. O DI de julho de 2010 (122.290 contratos negociados) avançava de 9,23% para 9,26% ao ano. Os contratos com vencimentos a partir de 2012, os mais sensíveis aos leilões do Tesouro, eram os mais pressionados. A projeção do DI de janeiro de 2012 (113.140 contratos) estava na máxima de 11,57% ao ano, de 11,47% ontem; e o DI de janeiro de 2014 (10.855 contratos), também na máxima, apontava 12,25% ao ano, de 12,16% ontem.

 "Foi um mercado de giro", resumiu a economista da Link Investimentos Marianna Costa. Segundo ela, notícias como a queda na confiança do consumidor apurada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e a desaceleração do IPC-Fipe acabaram não sensibilizando o mercado, pois "há um consenso de que o aumento da Selic de abril não passa", reforçado pelo conjunto de dados da economia.

 A agenda desta quarta-feira foi farta em eventos e indicadores, ainda que nenhum em especial tenha sido determinante para os negócios. O conjunto, porém, autorizou os "comprados" (aposta na alta das taxas) a ampliarem suas posições e os "vendidos", a reduzirem. Pela manhã, o Banco Central divulgou a nota de crédito de janeiro, que mostrou relativa estabilidade nas concessões e nos níveis de inadimplência. Mas os juros aumentaram em relação a dezembro, sugerindo que os bancos já estão se antecipando à esperada alta na taxa básica. O juro médio no crédito livre passou de 34,3% em dezembro para 35,1% em janeiro. E este mês o movimento prossegue. Levantamento preliminar do Banco Central mostra que o juro médio dos empréstimos realizados com recursos livres subiu para 35,4% ao ano em 10 de fevereiro.

 Pela manhã, a Fipe informou que o IPC desacelerou de 1,09% para 0,85% entre a segunda e a terceira quadrissemana de fevereiro. E a FGV divulgou que o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) apresentou taxa negativa de 2,2% em fevereiro ante janeiro, na série com ajuste sazonal.

 À tarde, as taxas teriam recebido um impulso extra das operações relacionadas ao leilão de LTN e de NTN-F que o Tesouro realiza amanhã. Os investidores interessados em participar do leilão costumam comprar DIs como forma de se proteger do risco dos papéis.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.