Ministro espera fechar acordo sobre frete ainda nesta terça-feira

Reunido com técnicos da ANTT, o ministro dos Transportes, Valter Casimiro, está tentando chegar a um entendimento com produtores e caminhoneiros

PUBLICIDADE

Por Lu Aiko Otta
Atualização:

BRASÍLIA - O ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro, disse ao Estado que espera a conclusão, nesta terça-feira, 12, de um acordo entre caminhoneiros e embarcadores em torno da tabela de frete.

+ Greve dos caminhoneiros teve impacto de R$ 15 bi na economia, calcula Fazenda

Ele informou que ele próprio e os técnicos da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) estão em contato com as associações de produtores e as entidades dos caminhoneiros para buscar um entendimento.

+ Cargas do Nordeste são as mais afetadas por tabela de fretes

O ministroValter Casimiro, disse que espera a conclusão, nesta terça-feira, 12, de um acordo entre caminhoneiros e embarcadores. Foto: José Cruz/Agência Senado

PUBLICIDADE

"Toda essa discussão antecipa o processo de audiência pública", comentou. Ele negou que um acordo tenha sido fechado na segunda-feira.

+ Associação questiona no STF tabelamento de preços do frete rodoviário

Das cinco tabelas em elaboração, uma para cada tipo de carga, ainda não houve acordo em relação aos graneleiros. Ela concentra a carga do agronegócio, que rejeita a fixação de um preço mínimo.

Publicidade

+ Tabela do frete talvez não seja a melhor opção, diz Guardia

A proposta apresentada na segunda-feira pelos caminhoneiros é fixar a tabela nos atuais níveis de preço de mercado para os granéis. Ela deverá ser discutida nesta terça-feira com os produtores. "Mas o atual preço não pode ser considerado mínimo, porque estamos na safra", observou o ministro.

+ Desembargador derruba decisão que suspendeu efeitos da tabela de preços mínimos para frete

Casimiro admitiu que, pontualmente, há represamento no transporte de carga, como mostra o Estado em sua edição desta terça-feira. "Mas o transporte está ocorrendo", afirmou. "Não é o caos, mas também não é a normalidade."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.