Publicidade

Na Europa, país mais rico tem os serviços mais caros

Por Jamil Chade
Atualização:

Mina chega à casa de seus clientes dirigindo um Polo. Não se trata de uma vendedora ou especialista. Ela é faxineira. Mina estaciona o carro, arregaça as mangas e limpa os banheiros. Foi com seu salário de faxineira que comprou o veículo. "Assim não perco tempo entre cada trabalho", explicou.Há décadas, a Europa descobriu que, quanto menos desigual uma sociedade, maior o preço pago por serviços básicos em casa. A tradição e até a ordem nas famílias de classe média é a de que cabe a cada um limpar, passar, cozinhar, arrumar e até pintar. Quando esses serviços existem, são todos ocupados por ucranianos, poloneses, indianos, tunisianos, marroquinos, equatorianos e até brasileiros. Na rica Europa, cada vez mais são imigrantes ilegais que trabalham como empregadas domésticas, jardineiros, encanadores ou babás. Mesmo assim, conseguem uma renda que jamais imaginariam obter nos países de origem, fazendo o mesmo trabalho.A ideia de ter uma babá permanente com os filhos é um luxo. Na França, por exemplo, uma babá chega a ganhar 7 por hora (R$ 17). Mães contam com quatro meses de licença maternidade na maioria dos países. Na Noruega, a regra é de até um ano para permitir que a mãe possa ficar com seu filho.Uma das constatações dos governos foi que a taxa de natalidade da Europa estava em queda justamente devido à dificuldade das mulheres em cuidarem de suas crianças e manterem seus empregos. Em vários países, a opção foi conceder novos incentivos, inclusive financeiros. No caso da limpeza doméstica, faxineiras ganham, em media, de 15 a 20 por hora (R$ 40 a R$ 50). Em apenas quatro horas de trabalho, somam cerca de R$ 200. A entidade Juri Travaille estima que, na média, uma faxineira na França chegue a ganhar cerca de 1,4 mil por mês (R$ 3,4 mil). Na Suíça, o rendimento de uma faxineira pode atingir até o equivalente a US$ 2,5 mil (R$ 4,25 mil). O preço sobe quando se trata de serviços especializados. Um chaveiro chamado com urgência para abrir uma porta e trocar o trinco pode custar até R$ 300,00. Um pintor cobra 25 por hora (R$ 60), mesmo preço de um jardineiro, sem contar o material.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.