PUBLICIDADE

Publicidade

Na seção de Esportes, histórias e ídolos

'Estado' cobriu todas as Copas do Mundo, Jogos Olímpicos e registrou carreiras, glórias e dramas dos maiores esportistas de todos os tempos

Por Roberto Bascchera
Atualização:

No dia 22 de outubro de 1974, o Estado noticiou a vitória de um desconhecido garoto de 14 anos em uma corrida de kart em Interlagos. A nota sobre o triunfo de Ayrton Senna da Silva na categoria quarta menor aparecia discretamente em página cuja reportagem principal contava que Emerson Fittipaldi - piloto consagrado e campeão do mundo - havia sido convidado a participar de uma corrida de carros de passeio nos Estados Unidos.Assim como aconteceu com Senna e Emerson, em seus 137 anos de história o Estado se notabilizou pela cobertura de eventos e personagens do mundo esportivo. O jornal mostrou os feitos de campeões como Adhemar Ferreira da Silva, Maria Esther Bueno, Gustavo Kuerten, Nelson Piquet, Emerson.Também acompanhou os feitos da geração de Paula e Hortência no basquete feminino - campeãs mundiais em 1994 -, as conquistas do masculino, em 1959 e 1963, e o título do Pan de Indianápolis, em 1987.A participação de Jesse Owens nos Jogos Olímpicos de Berlim/1936, desbancando na pista de atletismo o império de Adolf Hitler, e a carreira do mito Cassius Clay - que viraria Muhammad Ali - são história contada em reportagens.Histórias de personalidades importantes, mas nem tão familiares do grande público, também tiveram destaque, como a de Guilherme Paraense, primeiro brasileiro a ganhar uma medalha de ouro olímpica, no tiro ao alvo, em 1920. A saga de Paraense é digna de nota: ele viajou durante 27 dias para chegar a Antuérpia, onde competiria. Além do desgastante deslocamento, uma tempestade de areia inutilizou o equipamento levado pela equipe brasileira, que teve de tomar armas emprestadas para participar dos Jogos. E vencer.Em tempos mais recentes, o feito do vôlei masculino, primeira modalidade coletiva a trazer o ouro olímpico para o Brasil, foi manchete da edição de 10 de agosto de 1992: "Vôlei dos sonhos é medalha de ouro". A equipe dirigida por José Roberto Guimarães, e com jovens talentos como Tande, Marcelo Negrão, Maurício e Giovane, chegou à glória no último dia de disputa dos Jogos de Barcelona.Na volta ao Brasil, a delegação desfilou em carro aberto por São Paulo. A equipe foi saudada por centenas de milhares de pessoas: "No trajeto da Avenida Tiradentes para o Ginásio do Ibirapuera, motoristas chegaram a sair dos carros para aplaudir", dizia o texto de primeira página.Outro fato que comoveu o País e virou manchete foi o cortejo fúnebre de Ayrton Senna, também pelas ruas de São Paulo. "Mais de um milhão dão adeus a Senna", foi o título principal do jornal em 5 de maio de 1994. O caixão foi transportado em carro dos bombeiros até o Cemitério do Morumby, uma cena que se tornou histórica. O futebol e o Rei. O jornal começou a circular duas décadas antes da chegada do futebol ao País. E, desde que Charles Miller trouxe ao Brasil a primeira bola, foram 19 Copas do Mundo acompanhadas pelo Estado.Pelé, o maior jogador de futebol de todos os tempos, é um dos personagens que mais frequentaram as páginas do jornal. Somente o material fotográfico relativo ao Rei do Futebol preenche mais de uma dúzia de robustas pastas no arquivo.Os 1.281 gols que marcou na carreira, os dois casamentos, os filhos, os jogos por Santos, New York Cosmos e seleção brasileira, os títulos mundiais pela seleção e pelo Santos, a despedida do futebol, a vida empresarial, a atuação como ministro e garoto-propaganda estão registrados no acervo. "Tenho meio século de ligação com o Estado", diz Pelé. "São quatro gerações. Veja só o tamanho da minha responsabilidade, não posso pisar na bola", brinca.Pelé também foi o assunto principal em outros momentos marcantes. O primeiro casamento, com Rosemary Cholby, virou manchete da edição de estreia do Jornal da Tarde, em 4 de janeiro de 1966: "Pelé casa no carnaval". O milésimo gol, em novembro de 1969 no Maracanã, nos 2 a 1 contra o Vasco, e a conquista da Copa de 1970, no México, estão amplamente documentados no acervo.O Estado fez a cobertura completa do primeiro Campeonato Paulista de futebol, em 1902, vencido pelo São Paulo Athletic Club e com Charles Miller como artilheiro, com 10 gols. Também fez a cobertura da construção e inauguração dos grandes estádios do País, assim como acompanha, hoje, as obras para a Copa de 2014. Graças à internet e à integração das mídias, o leitor tem, a partir de agora, acesso a esses 137 anos de história.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.