Publicidade

Carro elétrico chinês ainda é ‘desconhecido’ nos EUA, mas montadoras americanas temem ‘inundação’

Fabricantes de automóveis dos EUA e seus apoiadores receberam bem as tarifas do governo Biden, dizendo que elas protegeriam a fabricação nacional e os empregos dos veículos chineses baratos

Por Neal Boudette (The New York Times)
Atualização:

As novas tarifas adotadas pelo governo Biden sobre os veículos elétricos chineses não terão um grande impacto sobre os consumidores americanos ou sobre o mercado de automóveis imediatamente, pois poucos desses carros são vendidos nos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

Mas a decisão reflete o profundo temor do setor automotivo americano, que tem se preocupado cada vez mais com a capacidade da China de produzir veículos elétricos baratos. As montadoras americanas saudaram a decisão do governo Biden na terça-feira de impor uma tarifa de 100% sobre os veículos elétricos da China, dizendo que esses automóveis prejudicariam bilhões de dólares de investimento em fábricas de veículos elétricos e baterias nos Estados Unidos.

“O anúncio (das tarifas) é uma resposta necessária para combater as práticas comerciais injustas do governo chinês que colocam em risco o futuro de nossa indústria automobilística”, disse o senador Gary Peters, D-Michel, em um comunicado. “Isso ajudará a nivelar o campo de atuação, manterá nossa indústria automobilística competitiva e apoiará empregos bem remunerados e sindicalizados aqui em casa.”

Na terça-feira, o presidente Joe Biden anunciou uma série de novas e maiores tarifas sobre determinados produtos fabricados na China, incluindo uma taxa de 25% sobre o aço e o alumínio e 50% sobre semicondutores e painéis solares. A tarifa sobre veículos elétricos fabricados na China foi quadruplicada - de 25% para 100%. As baterias chinesas de íons de lítio para carros elétricos agora terão uma tarifa de 25%, em vez de 7,5%.

Apenas alguns veículos - elétricos ou a gasolina - são importados da China para os Estados Unidos Foto: Chinatopix via AP

Os Estados Unidos importam apenas algumas poucas marcas - elétricas ou a gasolina - da China. Uma delas é o Polestar 2, um veículo elétrico fabricado na China por uma montadora sueca na qual a empresa chinesa Zhejiang Geely tem o controle acionário. Em um comunicado, a Polestar disse que estava avaliando o impacto do anúncio de Biden.

“Acreditamos que o livre comércio é essencial para acelerar a transição para uma mobilidade mais sustentável por meio de maior adoção de veículos elétricos”, disse a empresa.

No primeiro trimestre deste ano, a Polestar vendeu apenas 2.200 veículos nos Estados Unidos. No final deste ano, no entanto, está programado para começar a produzir um novo modelo, o Polestar 3, em uma fábrica na Carolina do Sul operada pela Volvo Cars, da qual a Geely é proprietária.

Publicidade

A Volvo vende um sedã híbrido plug-in de fabricação chinesa, o S90 Recharge, nos Estados Unidos, e planeja começar a importar da China para os Estados Unidos um novo veículo utilitário esportivo pequeno, o EX30. O carro deve custar a partir de US$ 35 mil (R$ 179 mil), o que o torna um dos modelos movidos a bateria mais acessíveis disponíveis no país. O modelo se tornou rapidamente o veículo mais vendido da Volvo na Europa.

A Volvo disse na terça-feira, 14, que estava avaliando o impacto potencial das novas tarifas de Biden em seus planos.

Os modelos de combustão interna fabricados na China e vendidos nos Estados Unidos incluem o Buick Envision SUV, fabricado pela General Motors, e o Lincoln Nautilus, da Ford Motors. Eles não são afetados pelas tarifas.

A Tesla, a GM, a Ford, a Volkswagen, a Hyundai e várias outras montadoras investiram dezenas de bilhões de dólares em fábricas de baterias e veículos elétricos nos Estados Unidos. Mas, com exceção da Tesla, as montadoras dos Estados Unidos, Europa e Japão estão atrás das empresas chinesas em termos de escala, produção de matérias-primas e tecnologias essenciais.

PUBLICIDADE

Alguns representantes da indústria automobilística dos EUA disseram que o apoio do governo chinês a suas montadoras deixou as fábricas com capacidade para produzir muito mais carros do que podem ser vendidos no país.

“Eles têm um grande problema de excesso de capacidade de veículos elétricos”, disse John Bozzella, presidente da Alliance for Automotive Innovation, o principal braço de lobby das montadoras americanas.

“Eles estão fabricando muitos veículos elétricos - altamente subsidiados - para o mercado doméstico e não têm outra opção a não ser procurar o exterior para descarregar esses veículos a preços acessíveis”, acrescentou Bozzella. “A competitividade do setor automotivo nos EUA será prejudicada se os veículos elétricos chineses altamente subsidiados puderem ser vendidos a preços abaixo do mercado para os consumidores americanos.”

Publicidade

As autoridades chinesas negaram que o país esteja produzindo em excesso veículos elétricos, painéis solares e outros produtos visados pelo governo Biden. “Esperamos que os EUA possam ter uma visão positiva do desenvolvimento da China e parem de usar o excesso de capacidade como desculpa para o protecionismo comercial”, disse um porta-voz da embaixada da China em Washington, Liu Pengyu.

Os fabricantes de automóveis já tiveram uma amostra de como a concorrência de preços pode atrapalhar seus planos de veículos elétricos. No último ano, a Tesla cortou os preços de seus modelos várias vezes, reduzindo os custos de alguns modelos em mais de 20% no total. Esses cortes, combinados com uma desaceleração no crescimento das vendas de carros elétricos, tornaram extremamente difícil para a GM e a Ford ganhar dinheiro com modelos movidos a bateria.

Nos primeiros três meses do ano, a divisão de veículos elétricos da Ford perdeu US$ 1,3 bilhão antes de levar em conta algumas despesas. Tanto a Ford quanto a GM reduziram a produção de veículos elétricos e atrasaram o lançamento de novos modelos. Embora a GM esteja perdendo dinheiro com os carros elétricos, a empresa disse que espera que esses veículos comecem a gerar lucros ainda este ano.

O governo Biden procurou apoiar e incentivar a produção de baterias e veículos elétricos nos Estados Unidos para lidar com as mudanças climáticas e incentivar mais fabricação nacional.

A China não é o único obstáculo. O entusiasmo dos americanos por carros elétricos diminuiu no último ano, principalmente porque esses veículos são vendidos por preços relativamente altos. Alguns também relutam em comprar porque não têm certeza de que haverá lugares suficientes para carregar esses carros com facilidade e rapidez.

No primeiro trimestre deste ano, 269 mil veículos elétricos foram vendidos no mercado dos EUA, de acordo com a Kelley Blue Book. Isso representa um aumento de apenas 2,6% em relação ao ano anterior. As vendas totais de carros e caminhões leves cresceram mais de 5%, chegando a 3,8 milhões de veículos.

“De muitas maneiras, comprar um VE exige uma mudança de estilo de vida”, disse Jessica Caldwell, diretora executiva de insights da Edmunds, uma pesquisadora de mercado. “Muitas pessoas simplesmente dizem: ‘Não quero o incômodo de um VE (veículo elétrico).”

Publicidade

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.