Companhias aéreas menores buscam fusões para competir com gigantes do setor

A JetBlue Airways está tentando persuadir um tribunal federal a permitir a aquisição da Spirit Airlines, um acordo que, segundo o Departamento de Justiça, aumentará as tarifas e reduzirá a concorrência

PUBLICIDADE

Por Niraj Chokshi
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - As companhias aéreas menores que operam à sombra das quatro companhias aéreas dominantes do país estão se sentindo cada vez mais pressionadas a se fundir com outras para obter acesso a mais aviões e portões de aeroportos.

PUBLICIDADE

Essa dinâmica foi exibida em um tribunal federal em Boston na terça-feira, 5, quando a JetBlue Airways tentou persuadir um juiz a permitir que ela comprasse a Spirit Airlines por US$ 3,8 bilhões. Também estava em jogo no fim de semana passada, quando a Alaska Airlines propôs a aquisição da Hawaiian Airlines por US$ 1,9 bilhão.

O resultado desses negócios pode ser fundamental para as empresas e para o setor aéreo dos EUA, no qual quatro empresas controlam mais de dois terços do mercado nacional e exercem domínio sobre grandes aeroportos em locais como Atlanta, Dallas-Fort Worth e Newark. Se uma ou ambas as fusões forem aprovadas, os negócios serão os maiores dos últimos anos.

A última grande onda de fusões de companhias aéreas terminou quando a American Airlines se uniu à US Airways em 2013. Além da American, o setor agora é dominado pela Delta Air Lines, United Airlines e Southwest Airlines. Cada uma dessas empresas controla tantos portões e slots de decolagem e aterrissagem em seus aeroportos centrais que é improvável que percam mais do que uma pequena porcentagem dos viajantes que voam de e para essas cidades. As companhias aéreas maiores também costumam pagar menos por aviões e outros equipamentos porque seu tamanho lhes permite negociar melhores acordos.

Se sua aquisição da Spirt Airlines for aprovada, a JetBlue terá uma participação de mercado de mais de 10%  Foto: Chris Helgren/Reuters

“O poder do tamanho nesse setor é enorme”, disse Christopher Raite, analista sênior da Third Bridge, uma empresa de pesquisa. “Há simplesmente essas vantagens inerentes que o tamanho lhe proporciona.”

A posição dominante das quatro grandes companhias aéreas foi destaque nos argumentos de defesa da JetBlue em um processo federal antitruste movido pelo Departamento de Justiça contra sua aquisição da Spirit. Em suas alegações finais na terça-feira, Ryan Shores, advogado da JetBlue, disse que as companhias aéreas menores “precisam da amplitude da rede para poder competir com as companhias aéreas maiores”.

O advogado do Departamento de Justiça, Edward Duffy, rebateu que a venda eliminaria uma fonte de concorrência pequena, mas importante. A Spirit normalmente vende passagens por um preço menor do que a JetBlue e outras companhias aéreas. E ele argumentou que mais de 135 milhões de passageiros de companhias aéreas por ano seriam prejudicados se a Spirit não estivesse mais ajudando a reduzir as tarifas nas rotas que esses viajantes percorrem. Ao adquiri-la, disse Duffy, a JetBlue se transformaria no tipo de gigante que domina o mercado, contra o qual ela diz querer competir.

Publicidade

Se concluir a aquisição da Spirit, a JetBlue terá uma participação de mercado de mais de 10%, em comparação com os 16% controlados pela United, a menor das quatro grandes empresas aéreas. A Alaska e a Hawaiian teriam uma participação combinada de 8%.

No julgamento, que foi apresentado ao juiz William G. Young, do Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito de Massachusetts, o governo argumentou que a aquisição reduziria a concorrência, especialmente nas 262 rotas em que, segundo Duffy, as companhias aéreas competem.

A fusão aumentaria a participação de mercado da JetBlue em mais de uma dúzia de rotas para mais de 50%, de acordo com uma análise de dados da Cirium, um provedor de dados de aviação. Todo esse domínio recém-descoberto seria em rotas de e para a Flórida, onde a Spirit está sediada, embora o impacto possa diminuir porque as companhias aéreas planejam abrir mão de algum acesso ao aeroporto se o acordo for aprovado.

O Departamento de Justiça também argumentou que a Spirit é excepcionalmente perturbadora, sendo responsável por cerca de metade de todo o serviço oferecido pelas companhias aéreas de menor custo do país.

A Spirit Airlines normalmente oferece tarifas mais baixas e tem mais assentos em cada avião do que a JetBlue Foto: Wilfredo Lee/AP

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Em seu argumento final, Duffy argumentou que a ideia de que outras companhias aéreas preencheriam o vazio deixado pela Spirit exigia um nível de fé “simplesmente impressionante” de que essas empresas “cresceriam mais rápido do que nunca, e ainda mais, que enfrentariam as companhias aéreas tradicionais de uma forma que nunca fizeram antes, que voariam de maneiras e lugares fundamentalmente em desacordo com suas estratégias comerciais estabelecidas”.

Uma JetBlue maior tem maior probabilidade de copiar as quatro grandes companhias aéreas, cobrando tarifas relativamente altas, disse o governo. Além disso, a JetBlue planeja reduzir o número de assentos nos jatos da Spirit para corresponder à sua própria configuração mais espaçosa, o que, segundo o governo, elevaria ainda mais os preços das passagens. O Departamento de Justiça estimou que o acordo acabaria por custar aos consumidores de US$ 1 bilhão a US$ 2 bilhões por ano em tarifas mais altas.

Ao defender a fusão, a JetBlue apontou seu histórico de perturbação do setor, fato reconhecido pelo Departamento de Justiça no ano passado, quando processou com sucesso uma aliança entre a JetBlue e a American em Boston e Nova York. Com mais aviões e rotas, a JetBlue disse que teria a capacidade de atrair mais passageiros das grandes companhias aéreas, forçando-as a reduzir as tarifas ou a trabalhar mais para conquistar ou manter clientes.

Publicidade

A combinação da JetBlue e da Spirit “forneceria a escala necessária para se tornar um quinto desafiante nacional viável e disruptivo para as companhias aéreas dominantes do setor nos próximos anos”, disse Shores, sócio do escritório de advocacia Cleary Gottlieb Steen & Hamilton.

A JetBlue também disse que abriria mão do acesso a alguns slots de decolagem e aterrissagem em aeroportos de Nova York, Boston e Flórida, onde ela e a Spirit teriam uma participação substancialmente alta no mercado. A companhia aérea acusou o governo de ser muito míope em seu foco em um pequeno número de rotas, e não nos benefícios nacionais do acordo. As companhias aéreas podem mudar de rotas e aviões de forma oportunista, e algumas, sem dúvida, competirão com a JetBlue, que é maior, ao mesmo tempo em que pegarão alguns dos negócios da Spirit, argumentou a companhia aérea.

Um aspecto em que a JetBlue, o Departamento de Justiça e muitos especialistas concordam é que o setor se tornou excessivamente concentrado. Os governos anteriores permitiram grandes fusões que deram início ao domínio das quatro grandes companhias aéreas.

Sob o comando do presidente Biden, o Departamento de Justiça está buscando aplicar agressivamente as leis antitruste, principalmente impedindo novas consolidações.

Obviamente, é improvável que essa estratégia torne o setor mais competitivo do que é atualmente, especialmente nos aeroportos em que as quatro maiores empresas já dominam. No ano passado, por exemplo, mais da metade dos voos com origem ou destino no Aeroporto Internacional Dallas-Fort Worth foram operados pela American, de acordo com a Cirium. A United controla uma parcela semelhante de voos no Aeroporto Internacional Newark Liberty. E cerca de dois em cada três voos que partiram ou chegaram a Atlanta no ano passado foram operados pela Delta.

Ter menos concorrentes também aumenta a probabilidade de as empresas se coordenarem, pelo menos tacitamente, umas com as outras, disseram os especialistas em antitruste. Os executivos corporativos podem monitorar com mais facilidade as mudanças nas tarifas e nos horários de seus concorrentes e ajustar suas próprias táticas de acordo com isso quando há apenas algumas grandes empresas. Também é menos provável que as empresas se envolvam em guerras tarifárias contundentes, pois há pouco a ganhar quando cada empresa tem seus próprios aeroportos centrais de onde voam a maioria de seus aviões.

“Os concorrentes menores, normalmente, são os que rompem as fileiras”, disse John Kwoka, professor de economia da Northeastern University e especialista em antitruste que assessorou Estados e o Departamento de Justiça em fusões de companhias aéreas. “Se todos os outros estão comprando algo por US$ 100 e você é um pequeno concorrente e pode fixar o preço em US$ 70 ou US$ 80, você pode ganhar muita participação e negócios contra os grandes vendedores.”

Publicidade

A JetBlue foi fundada em 1999 e rapidamente encontrou seu lugar, tornando-se uma das poucas empresas aéreas a permanecer lucrativa após os ataques terroristas de 11 de setembro. A empresa ganhou a reputação de ser uma força de combate. Em um white paper de 2013, pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts descobriram que, quando a companhia aérea operava em um mercado, as tarifas caíam, chamando isso de “Efeito JetBlue”.


No entanto, alguns analistas de companhias aéreas dizem que a JetBlue perdeu seu caráter rebelde nos últimos anos ao perseguir viajantes premium e lucros.

Se o acordo for aprovado, a JetBlue expandirá sua frota e força de trabalho em mais de 50%, operando mais de 450 aviões e empregando cerca de 34.000 pessoas. A JetBlue opera principalmente em Boston, Nova York, Los Angeles e vários destinos na Flórida. A rede da Spirit é mais difusa, mas é particularmente densa na Flórida e no leste dos Estados Unidos.

O juiz do julgamento não disse quando espera emitir uma decisão final. A JetBlue disse que planeja concluir a integração das operações da Spirit no máximo até o primeiro semestre de 2024.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.