Publicidade

Marisa é alvo de dez ações de despejo por inadimplência; dívidas passam de R$ 10 milhões

A varejista tenta renegociar dívidas desde o começo do ano; empresa diz que tem negociado e buscado uma ‘solução amigável’ com todos os parceiros

Foto do author Lucas Agrela
Por Lucas Agrela
Atualização:

A varejista Marisa é alvo de dez ações de despejo na Justiça por inadimplência em contratos de aluguel de imóveis. As ações começaram em fevereiro deste ano, quando a empresa admitiu a incapacidade de honrar pagamentos que somam cerca de R$ 600 milhões e iniciou conversas com credores para renegociar prazos e rolar as dívidas.

A ação mais recente, de 3 de maio, pede o pagamento de R$ 413.113,32. No total, o valor das ações chega a R$ 10,1 milhões.

Marisa busca renegociação com credores desde o começo do ano  Foto: Wether Santana/Estadão

PUBLICIDADE

Procurada, a Marisa informou que renegociou contratos com vários fornecedores, incluindo locadores de imóveis. “Essas renegociações estão, em sua maior parte, concluídas, sendo certo que a companhia vai procurar uma composição amigável com toda sua ampla rede de parceiros”, informou a empresa ao Estadão.

Na última semana, a Marisa enfrentou pedidos de falência por parte de três credores, por conta de uma inadimplência de R$ 800 mil. A empresa tem fechado lojas, que empregam, em média, 20 pessoas.

A busca pelo equilíbrio financeiro é a meta do presidente João Pinheiro Nogueira Batista, o quarto ocupante do cargo em menos de um ano. O executivo tem ido pessoalmente a lojas que decidiu fechar para fazer as contas voltarem ao azul. Batista criticou a competição de empresas como a Shein, que vendem artigos de moda pagando menos impostos do que uma varejista local. A estimativa é de que a Marisa feche 90 lojas no País.

O caso da Marisa, assim como o da Tok&Stock, eclodiu depois do rombo bilionário nas Americanas, que deixou os bancos mais criteriosos na concessão de crédito para as varejistas.

A taxa de juros elevada aumentou o endividamento das empresas que tomaram crédito na pandemia, quando o juro chegou a 2% ao ano, e, por isso, empresas brasileiras enfrentam neste ano uma onda de falências e pedidos de recuperação judicial para renegociar os pagamentos com credores.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.