United Airlines vai estudar alternativas que excluam avião da Boeing, diz CEO da empresa aérea

Companhia americana tem pedidos de jatos Max 10, uma versão maior da linha Max 9, da Boeing, mas aviões estão com anos de atraso no cronograma

PUBLICIDADE

Por AP
Atualização:

AP - O presidente da companhia aérea americana United Airlines, Scott Kirby, disse nesta terça-feira, 23, que está “desapontado” com os problemas de produção da Boeing, que levaram à paralisação de dezenas de jatos da United. Segundo ele, a companhia aérea vai considerar alternativas à compra de uma versão futura e maior do Boeing 737 Max. Segundo Kirby, a Boeing precisa de “ação real” para restaurar sua reputação de qualidade.

PUBLICIDADE

Os comentários do CEO da United foram feitos um dia depois de a empresa ter divulgado uma projeção de prejuízo no primeiro trimestre deste ano por conta da paralisação de seus jatos Boeing 737 Max 9.

A United tem 79 desses aviões, que os órgãos reguladores federais suspenderam há mais de duas semanas, depois que um painel explodiu em um Max 9 da Alaska Airlines em pleno voo, deixando um buraco aberto no avião. As autoridades estão investigando se os parafusos que ajudam a manter o painel no lugar se quebraram ou estavam faltando.

Kirby disse, em entrevista à emissora CNBC, acreditar que os Max 9 poderão ser liberados para voar novamente em breve. “Mas estou desapontado com o fato de que os desafios de fabricação continuam acontecendo na Boeing”, disse.

Nos últimos anos, algumas vezes, falhas de fabricação atrasaram as entregas dos jatos Max e de um avião maior da Boeing, o 787. No ano passado, a United recebeu 24 aeronaves Boeing a menos do que esperava.

Avião da United Airlines se preparando para aterrissar no Aeroporto de Denver, nos EUA  Foto: David Zalubowski/AP

A United tem um pedido permanente de jatos Max 10, uma versão maior da linha Max. Entretanto, esse modelo e um modelo menor, o Max 7, estão anos atrasados em relação ao cronograma de certificação da Administração Federal de Aviação dos EUA. A paralisação dos jatos Max 9 provavelmente complicará ainda mais o esforço da Boeing para aprovar os novos modelos.

Segundo Kirby, o Max 10 está pelo menos cinco anos atrasado em relação ao cronograma, e pode ser adiado ainda mais para o futuro. “Acho que (a paralisaão dos Max 9) é provavelmente a gota d’água para nós”, disse. “Vamos pelo menos criar um plano que não inclua o Max 10.”

Publicidade

Kirby não foi específico sobre quais aviões a companhia aérea poderia adquirir em vez do Max 10, mas observou que há apenas um outro fabricante global de aviões tão grandes - a Airbus, rival europeia da Boeing. A falta dos Max 10 provavelmente significa que a United não crescerá tão rápido quanto esperava, acrescentou Kirby.

Stan Deal, CEO da divisão de aviões comerciais da Boeing, pediu desculpas pela paralisação do Max 9 e disse que a empresa está fazendo mudanças. “Decepcionamos nossos clientes das companhias aéreas e lamentamos profundamente os transtornos significativos causados a eles, seus funcionários e passageiros”, disse Deal, em um comunicado. “Estamos tomando medidas em um plano abrangente para trazer esses aviões de volta ao serviço com segurança e para melhorar nossa qualidade e desempenho de entrega.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.