Publicidade

Publicidade

Pacote econômico em debate aumentará déficit nos EUA

Segundo relatório, aumento será de US$ 885 bilhões; plano modifica um tipo de imposto das classes média e alta

Por Efe
Atualização:

A versão do plano de estímulo econômico que o Senado americano começou a debater nesta segunda-feira aumentará o déficit em US$ 885 bilhões na próxima década, segundo um relatório divulgado pelo Escritório de Orçamento do Congresso (CBO).   Veja também Obama adverte que mais bancos dos EUA devem falir Austrália lança novo pacote para revitalizar economia FMI prevê rápida recuperação das economias asiáticas em 2010 Bolsas asiáticas abrem com resultados mistos De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise    O relatório assinala que esse número supera em US$ 64 bilhões o rombo fiscal que geraria o plano de estímulo aprovado pela Câmara dos Representantes na semana passada, dotado de US$ 819 bilhões.   A diferença se deve, segundo a análise, a uma cláusula na versão do plano estudado no Senado que modifica um tipo de imposto que afetaria principalmente as classes média e alta.   O CBO aponta em seu relatório que 78% dos fundos incluídos na proposta serão aplicados no final do ano fiscal de 2010.   O documento serviu de apoio aos detratores do pacote, principalmente os republicanos, que insistem que o plano é custoso e pouco eficaz.   Segundo a minoria republicana, algumas das despesas fiscais farão pouco para estimular o crescimento econômico a curto prazo e a chave está em um aumento nos cortes tributários para incentivar o consumo.   Ainda não há data para a votação definitiva do plano, mas os republicanos prometeram lutar para modificar o texto final, apesar de negarem a acusação de que pretendem minar o projeto de lei.   Uma vez aprovado pelo Senado, o plano terá que ser harmonizado com o ratificado na Câmara, antes de ser enviado ao escritório do presidente Barack Obama para promulgação.   A meta dos democratas continua sendo enviar o plano de estímulo a Obama antes do recesso do próximo dia 16 de fevereiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.