Publicidade

Parmalat responsabiliza banco Sumitomo pela crise

Por Agencia Estado
Atualização:

O interventor nomeado pelo governo italiano para administrar o grupo Parmalat, Enrico Bondi, responsabilizou nesta quarta-feira o banco Sumitomo pelo destino da companhia no Brasil. Em carta enviada ao Sumitomo e aos demais credores da Parmalat brasileira, Bondi alega que, como a empresa foi expropriada por decisão judicial no âmbito do processo movido pelo Sumitomo na 42ª Vara Cível de São Paulo, a administração judicial da Parmalat na Itália cobrará do banco eventuais perdas decorrentes dessa intervenção. Na semana passada, a Parmalat do Brasil foi expropriada temporariamente pelo juiz da 42ª Vara Cível, Carlos Henrique Abrão, para que administradores escolhidos por ele recuperassem a companhia. A decisão do juiz, de afastar os administradores da subsidiária brasileira e bloquear o controle da matriz sobre a Parmalat do Brasil, foi tomada como parte de um processo movido pelo Sumitomo, que pedia o bloqueio dos ativos da subsidiária brasileira e a fiscalização judicial da administração, para evitar que o patrimônio da empresa fosse remetido à Itália, em prejuízo dos credores. Entretanto, quando a expropriação foi anunciada, na última quarta-feira, o Sumitomo disse que não havia solicitado essa medida ao juiz. Abrão justificou a medida alegando que se tratava do interesse público e até de uma questão de soberania nacional. Mas o advogado da matriz italiana no Brasil, Thomas Felsberg, refuta o argumento. "Nunca houve uma ação pública contra a Parmalat. O que existe é um litígio entre o banco e a empresa, decorrente de um crédito de R$ 10 milhões, ou 6% da dévida da Parmalat." Segundo Felsberg, se o Sumitomo discordava da expropriação, deveria ter pelo menos requisitado formalmente ao juiz que não tomasse tal medida, já que é o autor do processo. Como o banco nada fez para evitar "essa violência", diz o advogado, será responsabilizado pela matriz pelas consequências da nova administração. Os administradores afastados na semana passada diziam que a Parmalat brasileira precisava de um aporte de R$ 75 milhões para continuar operando. O interventor nomeado pelo juiz Abrão, Keyler Rocha, tomou posse na quinta-feira passada prevendo conseguir um empréstimo de capital de giro já no início desta semana. Atéesta quarta, no entanto, nenhum aporte havia sido anunciado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.