Publicidade

Publicidade

Publicidade

Petrobras vai investir até 15% em biocombustíveis e hidrogênio verde, diz executiva

Gerente de mudanças climáticas da estatal afirma que é importante enxergar a transição energética como uma oportunidade estratégica

Foto do author Beatriz  Capirazi
Foto do author Jorge Barbosa
Por Beatriz Capirazi e Jorge Barbosa (Broadcast )
Atualização:

A Petrobras afirmou que 6% a 15% dos seus investimento totais serão destinados para projetos sustentáveis de baixo carbono no próximo plano estratégico da estatal, vigente de 2024 a 2028, nesta terça-feira, 25. Durante evento em São Paulo, a gerente de mudanças climáticas da Petrobras, Raquel Coutinho, afirmou que as principais frentes de investimentos planejados pela Petrobras tem como foco o desenvolvimento de biocombustíveis.

PUBLICIDADE

A principal motivação para o aumento dos investimentos na área é não só reduzir as emissões das operações, mas também por enxergar a transição energética como uma oportunidade estratégica.

Além disso, Raquel destaca que é uma forma de manter a relevância da empresa frente as mudanças, cada vez mais exigidas não só pelo público, mas também pelos stakeholders das empresas. “A sociedade quer ter acesso a energia em baixo custo”.

Plano estratégico da estatal prevê investimento em biocombustíveis e hidrogênio verde  Foto: Paulo Vitor/AE

“É o que vai garantir a sustentabilidade da empresa. É um desafio enorme conseguir balancear o seu portfólio com opções que sejam acessíveis nos ambientes em que atuamos.”

A Petrobras afirmou enxergar o hidrogênio verde como uma oportunidade futura. “Esperamos um decréscimo na demanda de óleo e gás no futuro, mas ele não é uniforme em todas as regiões”, afirmou durante o 2º Fórum Net Zero, realizado pela Amcham e patrocinado pela Honeywell na capital de São Paulo.

Dentre as ações sustentáveis já desenvolvidas pela Petrobras estão: a revisão de oportunidades no plano estratégico, a criação de combustíveis produzidos a partir da estrutura do refino e do diesel por coprocessamento, além do desenvolvimento de produtos de combustíveis marítimos de menor emissão. Atualmente a empresa faz um teste usando 24% de biodiesel misturado num combustível fóssil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.