Publicidade

PIB desacelera e cresce 0,8% no segundo trimestre

índice, inferior ao do trimestre passado, mostra que economia continua a desacelerar, em resposta a medidas contra inflação.

Por João Fellet

A economia brasileira cresceu 0,8% no segundo trimestre de 2011 em relação aos três meses anteriores, informou nesta sexta-feira o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O índice, inferior ao crescimento registrado no trimestre passado (1,3%), sugere que a atividade econômica continua a desacelerar, em resposta às medidas adotadas pelo governo para controlar a inflação. O PIB do segundo trimestre, que em valores correntes somou R$ 1,02 trilhão, foi 3,1% maior que o do mesmo período do ano passado e foi puxado principalmente pelo setor de serviços, segundo o IBGE. No acumulado dos seis primeiros meses de 2011, o crescimento da economia brasileira foi de 3,6% (em relação ao mesmo período em 2010) e, no acumulado de 12 meses, o incremento foi de 4,7%. O resultado do último trimestre foi semelhante ao previsto no fim de agosto pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ele disse que esperava um crescimento de 0,8% no PIB em relação ao primeiro trimestre, encerrando o ano com um crescimento próximo a 4,5% - abaixo dos 7,5% de 2010. Segundo análise da semana passada da Serasa Experian, o PIB do segundo trimestre confirma a trajetória de desaceleração do ritmo de crescimento da economia brasileira e reflete as medidas de aperto fiscal e monetário adotadas pelo governo a partir do fim de 2010, para combater a alta da inflação. Taxa de juros Na última quarta-feira, o Banco Central interrompeu um ciclo de alta na taxa básica de juros, a Selic, iniciado em janeiro. No período, a Selic - que serve de referência aos juros cobrados pelos bancos e tem impacto nos níveis de investimento e consumo, afetando a inflação - passou de 10,75% a 12,5%. Na última reunião, citando preocupações com a piora da economia global e seus possíveis efeitos no Brasil, o Banco Central baixou a taxa para 12%, surpreendendo analistas, que esperavam a manutenção da taxa. A decisão foi tomada após o governo anunciar que ampliaria de R$ 81 bilhões para R$ 91 bilhões a economia feita em 2011 para pagar a dívida pública, afirmando que a medida ajudaria a conter a inflação e, por extensão, facilitaria a queda dos juros nos próximos meses. Para Cláudio Salvadori Dedecca, professor de economia da Unicamp, o governo tem dado sinais de que "vai colocar seus instrumentos para conseguir um crescimento entre 3,7% e 4%" do PIB neste ano. "O governo precisa muito disso, para gerar a receita esperada para executar seus programas." Ele avalia que o Banco Central tomou uma decisão sensata ao baixar os juros, se antecipando às expectativas de piora na economia brasileira em virtude da crise internacional. Já o professor e economia da PUC-SP Antonio Carlos Alves dos Santos diz que o governo aposta em um "caminho arriscado" ao baixar os juros, ainda que a medida possa ajudá-lo a atingir uma taxa de crescimento mais alta, de até 4%. "Não tenho a menor dúvida de que o Banco Central cedeu a pressões políticas. É verdade que existe uma crise mundial, mas o nível da inflação nos serviços ainda é elevado", afirma. "O governo está apostando em crescimento com um pouquinho de inflação, o que é preocupante." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.