Publicidade

Publicidade

Publicidade

PIB cresce 1,9 % no primeiro trimestre puxado pelo agronegócio

Setor foi beneficiado pela combinação de safra recorde e pelos preços elevados das commodities; serviços também cresceram no período, mas a indústria recuou 0,1%

Foto do author Luiz Guilherme  Gerbelli
Por Luiz Guilherme Gerbelli
Atualização:

Puxado pelo agronegócio, o Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todo o valor gerado na economia) do Brasil acelerou e cresceu 1,9% no primeiro trimestre deste ano em relação aos últimos três meses de 2022, quando caiu 0,1%. O número foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira, 1º.

O desempenho da economia brasileira nos primeiros três meses do ano ficou dentro do esperado pelas projeções colhidas pelo Broadcast, cujo intervalo variava de 0,4% a 2,4%, e acima da mediana (1,2%).

PUBLICIDADE

Na comparação com os primeiros três meses de 2022, o PIB avançou 4%.

No primeiro trimestre, o agronegócio cresceu 21,6%, o melhor resultado desde o quarto trimestre de 1996. O resultado foi impulsionado pela combinação de safra recorde - que deve alcançar mais de 300 milhões de toneladas neste ano – e pelos preços elevados das commodities.

“As expectativas (positivas) com a agropecuária se confirmaram, principalmente na parte de produção de grãos. Houve uma seca no Sul, mas ela foi mais localizada”, diz Silvia Matos, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). “Em geral, o agro é muito forte no primeiro trimestre e, depois, vai perdendo força.”

Os números divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira também revelam um avanço do setor de serviços (alta de 0,6%), o mais afetado no auge da pandemia, que ainda mostra resiliência e se beneficia da reabertura da economia e dos resultados do mercado de trabalho. A indústria, por sua vez, recuou 0,1%.

“Há uma resiliência do setor de serviços, mesmo com uma alta taxa de juros desde o ano passado. Esperávamos uma desaceleração para este setor”, afirma Claudia Moreno, economista do C6 Bank. “É difícil saber por que está assim. Algumas suposições indicam que ainda há uma demanda reprimida da pandemia, com mais pessoas fazendo viagens, por exemplo.”

Publicidade

Em relação à demanda por bens e serviços, o item “consumo das famílias” cresceu 0,2%, ajudado, em parte, pela política de transferência de renda. O “consumo do governo”, por sua vez, avançou 0,3%. Mas os investimentos caíram 3,4%.

“O PIB (do primeiro trimestre) é bom, mas ele tem uma certa dualidade. Um lado da economia está melhor, porque se beneficia da transferência de renda, da queda da inflação e das commodities”, diz Silvia Matos. “Mas há, também, um outro lado. Estamos vivendo um período em que as condições financeiras estão desfavoráveis.”

A taxa de investimento foi de 17,7% do PIB no primeiro trimestre e ficou abaixo do resultado apurado no mesmo período de 2022 (18,4%).

E o que esperar?

Na avaliação dos analistas, a economia brasileira vai perder ritmo nos próximos trimestres por causa do fim do ciclo positivo da agropecuária e pelo cenário de Selic elevada - atualmente em 13,75% ao ano. Juros altos encarecem o crédito para as famílias, e deixam os investimentos menos atrativos.

Taxa básica de juros elevada deve contribuir para desacelerar a economia no segundo semestre Foto: MArcello Casal Jr/Agência Bras / MArcello Casal Jr/Agência Bras

PUBLICIDADE

A expectativa é a de que o PIB do segundo trimestre ainda cresça, mas o País corre o risco de observar uma queda da atividade na segunda metade do ano.

“No primeiro semestre, deve haver uma variação positiva no PIB. No segundo semestre, será quando a atividade econômica, em geral, começa a sofrer os impactos dessa política monetária (de juros) mais contracionista”, diz Laiz Carvalho, economista do banco BNP Paribas

Antes da divulgação do PIB do primeiro trimestre, boa parte dos economistas previa um crescimento para este ano na faixa de 1,5% e 2%, mas o resultado melhor do que o esperado deve levar essas previsões para acima dessa patamar.

Publicidade

“Há chances reais de revisões serem feitas para cima e um PIB que no começo do ano parecia perdido, conseguirá reverter a tendência por conta das commodities”, disse Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados. A consultoria aumentou a estimativa de crescimento deste ano de 1,3% para 2,1%.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.