EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Jornalista e âncora da CNN Brasil

Opinião|O voto de Flávio Dino sobre a Lei das Estatais

Estaria nas mãos de Dino tornar inconstitucional uma lei preventiva, aprovada depois de escândalos de corrupção

PUBLICIDADE

Gostaria de fazer uma sugestão de pergunta aos senadores que vão sabatinar na próxima quarta-feira, 13, Flávio Dino para uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). Como ele pretende votar sobre a constitucionalidade da Lei das Estatais?

PUBLICIDADE

Com o pedido de vista do ministro Kassio Nunes Marques, o julgamento da Lei das Estatais só deve ocorrer no segundo trimestre do ano que vem. No centro do debate, a quarentena de 36 meses para a indicação de políticos e dirigentes partidários para o comando de empresas públicas.

E Dino pode dar o voto de Minerva. Pelo menos é o que se comenta nos bastidores do STF. Votariam a favor da manutenção da lei: André Mendonça (já votou), Luís Roberto Barroso (deu indicações), Edson Fachin (idem), Cármen Lúcia e Luiz Fux.

Votariam contra: Ricardo Lewandowski (já votou), Nunes Marques (pediu vista e deu indicações), Dias Toffoli, Gilmar Mendes (deu indicações) e Alexandre de Moraes.

Voto de Dino pode ser decisivo no julgamento da Lei das Estatais no STF Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

O voto de Moraes ainda suscita especulações entre quem acompanha o Supremo, já que a Lei das Estatais é um dos legados do ex-presidente Michel Temer. Foi Temer quem indicou Moraes ao tribunal.

Publicidade

O ministro, contudo, se aproximou muito de Lula e emplacou nomeações no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e na Procuradoria-Geral da República (PGR). Uma possibilidade é que acompanhe Gilmar em uma tentativa de redução do prazo da quarentena. Gilmar fez questão de interromper o voto de Mendonça para frisar que considera o período exagerado.

Uma tese, aliás, que Mendonça e Barroso também se apressaram a desmontar na última sessão. “O prazo pode até ser longo, mas, nesse caso, o Judiciário deve privilegiar a decisão do Legislativo”, disse Mendonça, com apoio de Barroso.

Se Moraes realmente pender pela inconstitucionalidade da lei, vai recair sobre Dino a responsabilidade de validar ou não a tese de “criminalização da política”, criada pelo governo do PT para justificar a nomeação de dezenas de apadrinhados para empresas públicas nos últimos meses, com base na liminar de um ministro e ao arrepio da lei aprovada no Congresso.

Estaria nas mãos de Dino tornar inconstitucional uma lei preventiva, aprovada depois de uma série de escândalos de corrupção que quase quebraram a Petrobras. O que pensa o hoje ministro da Justiça sobre o assunto?

Em tempo: Por que a ex-ministra Rosa Weber não deixou seu voto sobre a Lei das Estatais antes de se aposentar, impedindo Dino de votar? Ela, basicamente, não quis.

Publicidade

Mendonça devolveu o pedido de vista do mérito do caso em 16 de junho. Desde então, a presidência, ocupada por Rosa, poderia ter colocado o tema para votação. Não o fez.

Opinião por Raquel Landim
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.