Publicidade

Recriar ministério é fake news para desgastar Paulo Guedes, diz Bolsonaro

Em transmissão pelas redes sociais, presidente negou que o governo tenha interesse em desmembrar o Ministério da Economia para recriar pastas a pedido do Centrão

Por Emilly Behnke,Daniel Galvão e Nicholas Shores

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 8, que especulações sobre a recriação das pastas do Trabalho e da Indústria são "fake news" para desgastar o ministro Paulo Guedes, da Economia. Em transmissão ao vivo pelas redes sociais realizada em Breves (PA), Bolsonaro negou que o governo tenha interesse em recriar ministérios.

Bolsonaro negou, durante live, que tem interesse de recriar ministérios. Foto: Reprodução

PUBLICIDADE

"Então hoje, fake news no Estado de São Paulo, é pra tumultuar, é pra tentar desgastar o Paulo Guedes, como se eu tivesse fazendo as coisas por trás dele”, disse. Reportagem do Estadão/Broadcast mostrou que o Palácio do Planalto estuda uma "pequena reestruturação" na Economia, discutida desde o início da aliança com o Centrão. Mais cedo, o próprio ministro Paulo Guedes negou a possibilidade de desmembramento da pasta da Economia.

"Não existe da nossa parte interesse em recriar qualquer ministério", reforçou Bolsonaro. O chefe do Executivo está em Breves para agenda de compromissos nesta sexta-feira, 9, para a apresentação de ações do governo e da Caixa Econômica Federal. Ele está acompanhado do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, e do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

Desentendimentos

Após as desavenças envolvendo Guedes e o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, por conta do Renda Cidadã, Bolsonaro disse nesta quinta-feira, 8, que algumas vezes seus ministros "batem cabeça". "De vez em quando nossos ministros batem cabeça aí, mas é por recurso para melhor atender população. Não tem briga por recurso para atender projetos pessoais, de quem quer que seja", disse.

Na sequência o presidente destacou que o Orçamento público é limitado. "Nosso Orçamento é um dos menores dos últimos anos, talvez o menor. Ano que vem a tendência é ser menor ainda, mas estamos fazendo o que nós podemos fazer."

Na semana passada, Guedes e Marinho desentenderam quanto ao financiamento do Renda Cidadã. O Estadão/Broadcast revelou que na sexta-feira, 2, Marinho afirmou para economistas, durante uma videoconferência fechada, que é preciso encontrar uma forma de viabilizar o Renda Cidadã, mesmo que para tal seja necessário flexibilizar o teto de gastos. Em resposta, Guedes indicou que caso as falas de Marinho fossem verdadeiras, o chefe do Desenvolvimento Regional seria "despreparado, desleal e fura teto".

Publicidade

Obras

Ao lado de Bento Albuquerque e Pedro Guimarães, Bolsonaro citou na conversa que uma das prioridades do governo é a conclusão de obras de gestões passadas. "A prioridade nossa é completar obra de governos anteriores e não tem nenhum demérito nisso não, tá certo? Estou deixando bem claro que as obras não são nossas", disse. E acrescentou: "Não quero inventar uma obra agora para ficar uma marca minha e enterrar o pouco que nós temos de recursos orçamentários e deixar de concluir obras tão importantes que falta muito pouco para poder atender a população".

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.