Publicidade

Publicidade

Recuperação da Cogna é mais lenta do que de rivais do setor de educação

Desempenho do grupo no mercado financeiro é resultado da desconfiança que paira sobre a empresa, mesmo após o anúncio da reestruturação

Foto do author Luciana Dyniewicz
Por Luciana Dyniewicz
Atualização:

A Cogna é a empresa de educação listada na Bolsa que mais tem sofrido para se recuperar do baque da pandemia. Suas ações estão cotadas hoje a 37% do valor de antes da chegada do coronavírus ao Brasil, enquanto os papéis da Ânima já valem 80%, os da Yduqs (antiga Estácio), 59% e os da Ser, 47%. “A Kroton foi a educacional mais impactada nesta crise e, diferentemente das demais educacionais, que estão aproveitando o contexto para realizar consolidações e ampliar as sinergias contratadas, a Kroton está focada em reestruturação”, diz relatório da Eleven Financial publicado em fevereiro.

O desempenho no mercado financeiro é resultado da desconfiança que paira sobre a empresa mesmo após o anúncio das modificações. Em fevereiro, quando a Cogna anunciou um acordo com a Eleva Educação, houve decepção entre investidores. Pelo contrato, a Cogna se desfez de seus 51 colégios por R$ 964 milhões (R$ 625 milhões serão quitados em cinco anos e o restante, convertido em debêntures). Em contrapartida, comprou o sistema de ensino da Eleva por R$ 580 milhões.

Kroton foi a mais impactada pela crise, mas também foi a que se recuperou mais rápido. Foto: Kroton/ Divulgação

PUBLICIDADE

Investir em colégios era uma aposta recente do grupo, que vinha comprando ativos de alto padrão no segmento. O movimento, porém, elevou a complexidade de operação. Analistas consideraram acertada a venda das escolas, mas, para o BTG, o negócio não foi suficiente para reduzir a pressão das dívidas sobre a companhia. Na visão da Eleven, o acordo foi um passo importante para a empresa ter estrutura mais “leve”, mas deve demorar para trazer resultados. 

 Há 15 dias, quando o grupo apresentou seus resultados de 2021 – um prejuízo de R$ 5,8 bilhões –, os analistas do BTG Pactual disseram que novos ajustes podem ser necessários. O Bradesco BBI classificou os resultados como fracos e afirmou que a Kroton ainda sofrerá pressão. Os analistas destacaram que a alavancagem é fonte de preocupação, mas que o grupo pode começar a colher resultados da reestruturação. Apenas o Santander foi mais otimista, afirmando que o resultado operacional foi baixo “estritamente” devido a uma provisão para inadimplência “extraordinária”.

Aos analistas, o presidente da Cogna, Rodrigo Galindo, admitiu que 2020 foi difícil, mas destacou que foram feitos os “ajustes necessários para retomar a rentabilidade em 2021”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.