Publicidade

UE anuncia ajuda de ? 200 milhões para o Mercosul

Por Agencia Estado
Atualização:

A União Européia (UE) anunciou nesta sexta-feira que destinará ajuda de ? 200 milhões (aproximadamente o mesmo valor em dólares) para o Mercosul, até 2006, para financiar reformas econômicas e sociais. O anúncio veio alguns dias depois que o secretário do Tesouro norte-americano, Paul O´Neill, declarou ter dúvidas se os países sul-americanos mereciam ser ajudados. O´Neill irritou o governo brasileiro ao dizer que Washington não daria ajuda financeira a não ser que tivesse certeza de que o dinheiro não iria "para contas em bancos suíços". Ao anunciar o pacote de ajuda para Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, o porta-voz da Comissão Européia, órgão executivo da UE, Michael Curtis, não quis comentar as palavras de O´Neill. Entretanto, disse estar seguro de que os países que enfrentam crise de confiança por parte dos investidores vão superar o momento atual. "O que queremos, com este pacote, é assinalar nosso apoio e solidariedade a estes países neste momento", afirmou. "A Comissão Européia está segura de que os países poderão se aclimatar à tormenta e que as atuais relações entre o Fundo Monetário Internacional (FMI) com o Brasil e com o Uruguai ajudarão a produzir resultados positivos." A Argentina, que enfrenta recessão há quatro anos e já declarou o não pagamento de uma dívida, vai receber a maior fatia do pacote, ? 65,7 milhões, para financiar a reforma da administração pública, o desenvolvimento do comércio e a luta contra a pobreza e o desemprego. O Brasil receberá ? 64 milhões para projetos de ciência e tecnologia e projetos contra a exclusão social no Norte e Nordeste. Além disso, a UE espera ajudar o governo brasileiro nos esforços para reformar a economia, reduzir a pobreza e proteger o meio ambiente. Os ? 18,6 milhões ao Uruguai irão para as reformas econômicas, à modernização do Estado e ao desenvolvimento social, enquanto os ? 51,7 milhões ao Paraguai serão encaminhados principalmente para a reforma da administração pública. "Como nossa experiência na Europa já demonstrou, tudo isso permitirá ao Mercosul transformar-se numa comunidade de nações fortes, baseada em valores comuns de democracia e justiça social", afirmou o presidente da Comissão Européia, Romano Prodi. "Esta decisão é mais um sinal de compromisso de longo prazo da União Européia com o Mercosul."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.