Venda de carros cresceu 9,7% em 2023 e deve ter nova alta este ano, prevê Fenabrave

Segundo associação das concessionárias de veículos, resultado de 2023 ficou muito acima do esperado pelas empresas no início do ano

PUBLICIDADE

Foto do author Eduardo Laguna
Por Eduardo Laguna (Broadcast)

A Fenabrave, associação que representa as concessionárias de automóveis, prevê um crescimento de 12% das vendas de veículos zero quilômetro neste ano. A expectativa é de que sejam negociadas 2,59 milhões de unidades, na soma de carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus.

PUBLICIDADE

Só no segmento de veículos leves - carros de passeio e utilitários leves, como picapes e vans -, a entidade prevê vendas de 2,44 milhões de unidades, o que, se confirmado, representará também um crescimento de 12%.

Segundo dados divulgados nesta quinta-feira, 4, pela entidade, as vendas totais de veículos em dezembro chegaram a 248,5 mil unidades. Na comparação com o mesmo período de 2022, a alta foi de 14,6%. Frente a novembro, houve crescimento de 16,9%.

O desempenho do setor no mês passado não era visto desde o início da pandemia do coronavírus, em 2020, que foi seguida por uma crise no fornecimento de componentes eletrônicos que comprometeu a oferta de carros no mercado. Não era registrado um resultado mensal tão alto desde os 262,6 mil veículos de dezembro de 2019, fazendo com que o ano terminasse melhor do que o previsto.

Segundo associação das concessionárias de veículos, resultado de 2023 ficou muito acima do esperado pelas empresas no início do ano.  Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo

No total de janeiro a dezembro, 2023 terminou com 2,31 milhões de veículos zero quilômetro vendidos no País, 9,7% acima de 2022. O resultado ficou distante do nível de antes da pandemia, com uma diferença de 479 mil unidades em relação às quase 2,8 milhões de unidades comercializadas em 2019. Apesar disso, superou as previsões dos revendedores no início do ano, que apontavam para estagnação do mercado - crescimento zero. Em outubro, a Fenabrave revisou seu prognóstico para um crescimento de 5,6% das vendas.

O desempenho acima do previsto no ano é explicado pelo socorro temporário do governo, que liberou bônus para as compras de automóveis entre junho e julho, junto com a normalização no abastecimento de peças. Com o fim do programa federal, o mercado passou a ser sustentado pelo relaxamento nas condições de crédito, seguindo os cortes de juros, e pela demanda firme das locadoras, que compram um de cada quatro carros vendidos no País.

Mercado de motos

As vendas de motocicletas subiram 0,5% em dezembro em relação ao mesmo período de 2022, chegando a 132,8 mil unidades. Na comparação com novembro, o crescimento foi de 1,8%, segundo os dados da Fenabrave.

Publicidade

A desaceleração do mercado no último trimestre do ano passado refletiu as dificuldades de recebimento de peças e escoamento da produção, em razão da seca severa que restringiu o transporte de cargas pelo rio Amazonas e seus afluentes até o porto de Manaus, onde estão as maiores montadoras de motocicletas do País.

Ainda assim, 2023 terminou com um expressivo crescimento de 16,1% nas vendas de motos. Foram 1,58 milhão de unidades de janeiro a dezembro, o maior volume em 11 anos.

Para este ano, a entidade espera vendas de 1,83 milhão de unidades, um aumento de 16% sobre o resultado de 2023.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.