Copa Airlines e boeing que perdeu a porta: Teve voo cancelado? Conheça os seus direitos

Empresa teve de suspender uso modelo Boeing 737 MAX-9 depois que porta de uma aeronave da Alaska Airlines abriu em pleno voo

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Um incidente com um avião da Alaska Airlines no sábado, 6, quando a porta de uma aeronave abriu em pleno voo e forçou um pouso de emergência provocou a suspensão de voos do modelo Boeing 737 MAX-9 nos Estados Unidos. A paralisação se estendeu ao Brasil, onde a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) seguiu a recomendação de autoridades americanas. No País, apenas a Copa Airlines usa esse modelo de avião e teve alguns voos cancelados.

PUBLICIDADE

Procurada, a Anac informou que “acompanha o atendimento aos passageiros da Copa Airlines” no Brasil. De acordo com a agência, as regras em vigor no País determinam que o cancelamento programado de voos precisa ser informado com, no mínimo, 72 horas de antecedência.

“O transportador deve oferecer alternativas de reacomodação ou reembolso integral se o cancelamento for informado em prazo inferior a 72 horas”, disse a Anac. “Em situações de cancelamento, o passageiro tem direito de escolher entre reacomodação ou reembolso integral.”

Se a escolha for por reacomodação, a agência esclarece que a Copa Airlines precisa oferecer opções adequadas para garantir a “continuidade da viagem”.

“Caso o passageiro compareça ao aeroporto devido a falha na informação de cancelamento, o transportador deve fornecer assistência material e oferecer escolhas entre reacomodação, reembolso integral ou execução do serviço por outra modalidade de transporte”, completou a Anac.

Em nota, o Procon de São Paulo disse que irá notificar todas as companhias aéreas “para orientar e atender os consumidores eventualmente prejudicados com atrasos ou cancelamentos de voos.” O órgão também vai questionar se elas utilizaram o modelo 737 MAX.

“O Procon-SP também orienta os consumidores que eventualmente tenham problemas para, primeiramente, entrar em contato direto com a companhias aéreas. Não conseguindo resolver, podem registrar uma reclamação do Procon de sua cidade ou estado ou, ainda a qualquer tempo, procurar a Justiça”, informou o órgão.

Publicidade

Voos suspensos

A Copa Airlines suspendeu os voos que utilizam o Boeing 737 MAX-9 por decisão da Anac, que seguiu a diretriz da Administração Federal de Aviação (FAA, a agência regulatória de aviação dos Estados Unidos ). A companhia tem voos diários saindo de São Paulo e do Rio de Janeiro para o Panamá.

A agência dos EUA determinou a suspensão de voos com jatos Boeing 737 Max-9 para inspeção obrigatória.

Avião da Alaska Airlines precisou fazer pouso de emergência Foto: The Oregonian via AP

No site da Copa Airlines, é possível acompanhar o status de cada voo. Em São Paulo, por volta das 12h15, dos cinco voos previstos para este domingo, 7, três foram cancelados. No Rio de Janeiro, das duas partidas programadas, uma partiu com atraso de quase oito horas e a outra está cancelada.

Inicialmente, a Anac informou que a proibição não era necessária no País porque nenhuma companhia operava com o modelo envolvido no acidente, mas voltou atrás por causa das rotas operadas pela Copa Airlines.

PUBLICIDADE

Na frota da companhia, o Boeing 737 MAX-9 está disponível em 2 configurações: 13 aeronaves do Boeing 737 MAX 9-A, com 150 assentos na cabine principal, mais 16 assentos na Classe Executiva; e 4 aeronaves do tipo Boeing 737 MAX 9-B, com 162 assentos na cabine principal e 12 assentos na executiva.

Em nota divulgada no sábado, 6, a companhia aérea informou que “suspendeu temporariamente as operações de 21 aeronaves 737 MAX9, até que sejam submetidas à revisão técnica necessária.”

A empresa também disse que já tinha iniciado as inspeções técnicas e que esperava que as aeronaves retornassem “à programação de voos de forma segura e confiável nas próximas 24 horas”.

Publicidade

“A equipe da companhia aérea está trabalhando para minimizar o impacto para seus passageiros, embora alguns atrasos e cancelamentos sejam esperados devido a essa situação fora do controle da empresa”, disse a empresa.

Pânico no ar

O modelo fez um pouso de emergência no Aeroporto Internacional de Portland, em Oregon, devido a um problema que fez com que parte da fuselagem do avião explodisse, deixando um buraco na aeronave em pleno voo.

Passageiros dentro do Boeing 737 Max da Alaska Airlines  Foto: Elizabeth Le via AP

O incidente se soma ao histórico problemático da classe de aeronaves Boeing 737 MAX. Em 2018 e 2019, dois grandes acidentes envolvendo o modelo resultou na morte de 346 pessoas e na suspensão por 20 meses de voos com a aeronave.

A determinação da FAA envolve alguns modelos do 737 Max-9, os que têm um tampão de porta na cabine central, ou uma saída que é fechada com painéis em vez de ser usada como porta. Segundo a FAA, a decisão afeta cerca de 171 aviões em todo o mundo.

Em comunicado divulgado neste sábado, a Boeing disse que concorda e apoia integralmente a decisão da FAA de exigir inspeções imediatas das aeronaves 737-9 com a mesma configuração da aeronave afetada.

“A segurança é a nossa principal prioridade. Lamentamos profundamente o impacto que este evento teve sobre os nossos clientes e seus passageiros”, afirmou a companhia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.