Opinião|Crianças usam cartas para fortalecer laços de carinho e amizade

PUBLICIDADE

Atualização:

Estudantes de instituições de ensino Maristas das duas cidades deixam de lado os aplicativos de mensagens e usam os Correios para se corresponder 

PUBLICIDADE

As crianças da Educação Infantil do Colégio Marista Arquidiocesano estão se correspondendo com alunos do Marista Escola Social Lar Feliz, localizado na cidade de Santos (SP). O conteúdo, apoiado e supervisionado por docentes de ambas instituições de ensino, se baseia na troca de experiências, nos hábitos e na curiosidade pelo jeito de ser de cada um.

Desde que nascem, as crianças estão em contato com o mundo letrado e interagem com ele por meio da brincadeira. Ao começar a ter contato com a escrita e a leitura, os alunos passam a compreender que ambas são um elo de comunicação entre as pessoas, fazendo uma importante e fundamental função social. O primeiro passo desse projeto foi a gravação de um vídeo em que as crianças se apresentam e falam sobre seus gostos e preferências. No passo seguinte, aconteceu uma reunião online em que elas puderam, enfim, se conhecer melhor, mesmo que a distância. Por fim, foi escrita uma carta coletiva que, inclusive, chegou a ser levada até uma agência dos Correios pelos próprios autores e suas professoras.

 

As educadoras Aline Maahs da Silva e Naya Braz de Oliveira e Silva estimulam a turma que está em Santos. Vanessa Pugliesi Riccetti e Cristiane Santos de Souza são as responsáveis pelos pequenos do Arquidiocesano.

Uma carta foi escrita em duplas pelos alunos do Marista Arquidiocesano, reforçando essa amizade sincera e verdadeira, construída com pessoas "de longe", de realidades diferentes, mas com muitos sonhos em comum.

Publicidade

"Esta troca de correspondências auxilia as crianças a exercitar a paciência, já que a resposta por carta não é imediata, como um aplicativo de mensagens instantâneas. Destacamos, ao longo do projeto, a importância de criar contextos necessários, reais e significativos para práticas de leitura e escrita, ou seja, acreditamos que ler e escrever é atribuir significado e dialogar com seu entorno", explica a professora da Educação Infantil do Colégio Marista Arquidiocesano, Vanessa Pugliesi Riccetti.

"A leitura e a escrita pressupõem um processo de comunicação; é dar e buscar sentido às propostas cotidianas. Contudo, o mais importante é incentivar que elas possam compreender como é essencial o valor do afeto para uma convivência saudável", complementa a docente.

Opinião por Natália Venâncio
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.