Foto do(a) blog

Blog dos Colégios

Opinião|Medos e fobias: como ajudar as crianças a lidar com os sentimentos de forma saudável?

PUBLICIDADE

Atualização:
 

Juliana Góis, orientadora educacional do Rio Branco, dá dicas de ações práticas e livros que podem auxiliar a entender o medo

PUBLICIDADE

Seja na vida adulta ou na infância, é completamente natural que as pessoas sintam medo. Juliana Góis, orientadora educacional do Colégio Rio Branco, aponta como essa emoção é vivida por diferentes faixas etárias. "Sentimos medos diante de experiências reais ou imaginárias e se por um lado nós, adultos, conseguimos diferenciar fantasia e realidade, por outro as crianças não, pois vivem imersas em um mundo fabuloso onde tudo é possível."

Então, o medo do "bicho-papão", por exemplo, é sentido de forma real pela criança, como se o perigo estivesse por perto. No geral, esses receios são transitórios, sem afetar significativamente o cotidiano, mas devem ser abordados de forma acolhedora pela família desde cedo. O diálogo ajuda a enfrentar inseguranças e evita que certas questões, como o medo de conhecer pessoas novas, transforme-se em uma fobia.

Medo x fobia

Para facilitar a compreensão da temática discutida, Juliana Góis apresentou as definições básicas de "medo" e "fobia":

Publicidade

Medo: alerta para o enfrentamento de situações de perigo. Nos protege ao sinalizar a necessidade de ativar recursos ou de se preparar para realizar algo, fazendo com que haja o aumento da atenção para os estímulos ao nosso redor e evitando situações que possam vir a causar algum tipo de dano.

Fobia: caracteriza-se pela presença de um medo excessivo, desproporcional, persistente e que interfere na vida da criança tornando-se um problema ou lhe causando dificuldades. 

Como os pais e professores podem ajudar as crianças a lidarem com os medos? 

Por mais que sejam naturais da vida humana, os medos podem ser difíceis de enfrentar, principalmente na infância. Juliana Góis indica que os pais ajudem os filhos com as seguintes ações:

  • Reconhecer o medo da criança: não devemos dizer que o seu medo não existe ou é bobo. É normal sentirmos medo, pois é um mecanismo natural e essencial de proteção. Além disso, ao escutarmos a criança mostramos que elas podem confiar para falar sobre o que quiserem e, assim, é possível ajudá-las a entender e enfrentar qualquer situação. 
  • Conversar sobre o medo: muitas vezes, os medos surgem em situações do dia a dia que não representam um perigo real. Cheguem juntos a essa conclusão e busquem formas para superá-lo de forma gradual e progressiva. 
  • Exercícios de respiração e relaxamento: insira no dia a dia exercícios de respiração, como simular cheirar uma flor e assoprar uma velinha e/ou práticas de relaxamento. 
  • Compartilhar experiências: conte sobre os seus medos ao longo da vida e como conseguiu lidar com eles. 
  • Escrever ou desenhar: incentive a criança a colocar no papel o seu medo, assim ele tende a se tornar algo mais concreto, ganha um contorno e torna-se mais fácil de ser enfrentado. 
  • Utilizar recursos que nos aproximam do mundo infantil: dessa forma, a criança pode se sentir confortável para expor seus medos. 

Publicidade

Livros infantis que abordam o medo

Além das técnicas citadas, existem diversas obras literárias que podem auxiliar as crianças e suas famílias a compreender o medo. Confira a lista de indicações da educadora:

Opinião por assessoriaimprensa
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.