‘De 3 em 3 anos, precisa fazer um curso de relevância’. Consultor dá dicas para a carreira

Principalmente quando se buscam posições de liderança, as empresas prestam muito atenção na forma como o profissional tem se atualizado

PUBLICIDADE

Por Paulo Reda
Foto: Arquivo pessoal
Entrevista comGabriel CamposDiretor da Provendas Consultoria e atua como consultor empresarial, headhunter e orientador de carreira. É também professor de Gestão Estratégica de Marketing e Gestão de Produtos e Serviços no MBA da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Camp)

Gabriel Campos é diretor da Provendas Consultoria e atua como consultor empresarial, headhunter e orientador de carreira. É também professor de Gestão Estratégica de Marketing e Gestão de Produtos e Serviços no MBA da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Camp).

Para ele, as empresas estão cada vez mais exigentes com a constante atualização e requalificação dos profissionais a serem contratados. “Constância na educação é fundamental, para mostrar ao mercado que não parou no tempo”.

Como as empresas avaliam hoje a necessidade de educação continuada?

Principalmente quando se buscam posições de liderança, as empresas prestam muito atenção na forma como o profissional tem se atualizado. Até não muito tempo atrás, era aquele roteiro convencional de graduação, pós-graduação, talvez um MBA. Hoje isso não serve mais. Se o profissional não adotar o conceito de educação continuada começa a estagnar em sua formação. Quando as empresas analisam os currículos, avaliam de quanto em quanto tempo essa pessoa faz um curso importante. Só o fato de estar trabalhando não basta. Pelo menos de três em três anos precisa fazer um curso de relevância. Constância na educação é fundamental, para mostrar para o mercado que não parou no tempo. Hoje uma empresa não investir nisso na hora de contratar é quase inconcebível.

As instituições estão oferecendo boas alternativas de cursos, adequados às exigências atuais do mercado de trabalho?

Opções existem muitas. Com a possibilidade de EAD (educação a distância), algo que ficou mais disseminado ainda. O problema não é questão de oferta, mas sim que ainda existe uma certa resistência dos profissionais em apostar na formação continuada. A pessoa só faz o curso se a empresa pagar ou for exigido. Existem profissionais que bloqueiam a possibilidade de novos conhecimentos, dizem que não tem mais cabeça para aprender nada. É uma questão de mudança de postura, que é essencial nos dias de hoje.

Quais são as tendências para a evolução da relação entre o mercado de trabalho e os profissionais?

Atualmente, detectamos que muitos profissionais da nova geração querem atuar como empreendedores. Querem ter seu próprio negócio, muitas vezes utilizando como base a internet e as redes sociais. Nesse contexto, a educação continuada e com o formato de cursos mais curtos e pontuais é essencial. Esses profissionais mais jovens também possuem a tendência de buscar conhecimento por conta própria, não necessariamente por intermédio das instituições de ensino. Mas muitas vezes descobrem que não é tão simples assim.

Quais as áreas de formação mais valorizadas pelo mercado de trabalho hoje?

Varia muito pela área de atuação da pessoa. No geral, pós-graduação para áreas de liderança, se não tiver no currículo, pesa. Inteligência artificial é a bola da vez, mas ainda é uma área que está amadurecendo para o mercado, com várias questões ainda nebulosas. Liderança e comunicação são sempre temas em alta. Nunca houve tantas formas de se comunicar, mas a comunicação nunca foi tão ruidosa. Tudo que envolve e-commerce também é muito demandado.

Publicidade

Quais as dicas fundamentais para um profissional na hora de buscar qualificação a partir das perspectivas do mercado de trabalho?

Faça uma revisão e um planejamento da sua carreira pelo menos a cada dois anos. Não fique parado. Se mexa dentro da sua área. Não fazer isso, pode passar a impressão de que parou no tempo ou se acomodou. Precisa estar pronto para as mudanças do mercado, em um mundo em que as coisas ficam obsoletas muito rápido.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.