Foto do(a) blog

Blog dos Colégios

Como os ritmos individuais são trabalhados no processo de alfabetização?

PUBLICIDADE

Por Escola da Vila
Atualização:

Por Fernanda Flores, direção da Vila das Infâncias

 

Neste período do ano, nossa escola recebe a visita de muitas novas famílias procurando a continuidade escolar para suas filhas ou filhos nas turmas de 1º ano do ensino fundamental. E claro, um tema de interesse esperado é o da Alfabetização.

 

A Escola da Vila é reconhecida pela construção de uma prática alfabetizadora estruturada e coerente com os princípios do construtivismo, isso porque, nessa concepção, está em jogo entender as crianças, desde cedo, como leitoras e escritoras, que produzem ideias, pensamentos e expressam suas curiosidades, reconhecendo que trilham percursos singulares em seu processo de aprendizagem.

 

Escrever é necessário mesmo antes de saber fazê-lo de forma convencional, pois é a prática recorrente da escrita que mobiliza pensar sobre como organizar um texto para que este comunique uma ideia.

 

Fazê-lo em pares, comparar, conversar sobre escolhas, receber ajudas ajustadas aos desafios do percurso, são todas ações que põem em jogo as ideias que cada criança tem a cada momento sobre essa representação. Na cooperação intelectual promovida pela professora ou pelo professor e a partir de algumas condições didáticas, é que vemos a potência de um ambiente alfabetizador integral e de avanço, ao mesmo tempo coletivo e singular.

Publicidade

 

Numa sala de aula, os mais diferentes saberes sobre a escrita e a leitura estão em circulação, e é tarefa da escola proporcionar essa diversidade e favorecer conquistas por parte de todos e todas, seus alunos e alunas, ao mesmo tempo mantendo um ambiente no qual cada criança, vá confiando em si mesma, reconhecendo seus avanços.

 

 

Para tanto, a escola que vê na criança a inteligência de quem produz antes de sabê-lo conforme as regras do mundo adulto precisa promover em sua equipe de professores alfabetizadores um amplo conhecimento sobre as práticas de linguagem e sobre a língua propriamente.

 

Precisa, também, promover o conhecimento das pesquisas que podem nortear nosso olhar sobre os processos de aprendizagem e sobre as práticas sociais que são significativas e, ainda, ampliar as possibilidades de a equipe entender e analisar as respostas e as produções das crianças a cada tempo.

 

Em síntese, para realizar boas intervenções didáticas promotoras da diversidade, cuidadosas com os diferentes ritmos, e assim favorecer qualitativamente os processos de aprendizagem de todas as crianças, a Vila investe muito na formação de sua equipe, nos intercâmbios com pesquisadores de referência e na produção de saberes pedagógicos que compartilhamos com outras escolas via o Centro de Formação da Vila.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.