Gabarito do Enem: como a anulação de questão de Matemática muda o cálculo da nota?

Pergunta na prova foi anulada por conter erro de digitação na alternativa correta

Por Giovanna Castro
Atualização:

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 teve uma questão de Matemática anulada após constatação de que houve um erro de digitação e, por isso, nenhuma das alternativas de resposta estava correta. A pergunta falava sobre a comissão de um vendedor de loja e cobrava conhecimentos dos candidatos em álgebra. Era a questão de número 141 do caderno de prova rosa, 175 no amarelo e 157 nos cinza e azul. O Estadão perguntou a especialistas como essa anulação interfere no cálculo de nota dos candidatos.

PUBLICIDADE

Segundo o professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e pesquisador da Fundação Vunesp Dalton Francisco de Andrade, os candidatos do Enem 2022 não sofrerão interferência em suas notas por conta da questão anulada. O que muda é que a nota referente à disciplina de Matemática e suas tecnologias será calculada com base em 44 questões e não 45.

“Na hora de o sistema fazer o cálculo da nota do candidato, é como se a prova de Matemática tivesse 44 e não 45 itens. O resultado será obtido na mesma escala inicial”, diz o professor.

O único impacto da anulação, de acordo com ele, é que a precisão do parâmetro de desempenho do candidato será levemente afetada. No entanto, o impacto é mínimo, tendo em vista que será uma questão anulada em um total de 45.

Em 2022, 3,40 milhões de pessoas se inscreveram para o Enem. Este é o segundo menor número de inscritos para o exame desde 2005.  Foto: Taba Benedicto/Estadão

Parâmetro de desempenho

Todas as questões que vão para o Enem são previamente testadas para medir o seu grau de dificuldade. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo exame, aplica as questões em voluntários e mede quantas pessoas acertaram ou erraram cada questão.

Com base nesses testes anteriores ao exame, o sistema de cálculo de nota do Enem considera o nível de dificuldade de cada questão para então avaliar o desempenho de cada candidato. Ou seja, se ele acerta um maior número de questões fáceis, de média complexidade ou difíceis.

As questões consideradas mais difíceis valem mais pontos do que as mais fáceis. E, para fazer essa medição, é preciso ter o maior número de questões possíveis na prova, aponta Dalton Francisco.

Publicidade

“Quanto mais questões, mais preciso é o parâmetro. Ao mesmo tempo, o Inep leva em consideração também o número de questões máximo para que o candidato não seja prejudicado por cansaço. Foi assim que ele chegou nessas 45 questões por disciplina”, diz.

A questão do Enem 2022 que foi anulada. Foto: Reprodução

Qual é o prejuízo para os candidatos?

Com uma questão anulada, o parâmetro de desempenho do candidato perde um pouco em precisão. Além disso, o tempo maior que o candidato pode ter ter levado na questão anulada ao tentar refazê-la em busca de um resultado que existisse nas alternativas de resposta pode ter o prejudicado em outras questões.

Apesar desses fatores, Tufi Machado Soares, professor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e também especialista no assunto, concorda com Dalton ao afirmar que o impacto é pequeno e não compromete significativamente o exame.

“Em termos da medida pontual, isso não tem efeito, mas pode ter um efeito na precisão da medida do nível de proficiência (do candidato). Mas eu acredito que, como é uma questão de 45, isso não não deve ter uma relevância muito grande, é um impacto relativamente pequeno”, diz o professor da UFJF.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.