PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Quais as chances de um aluno pobre e de um aluno rico ter um bom professor?

Pesquisa de professora da FGV mostra a desigualdade no acesso a docentes mais experientes e com ensino superior no País

Foto do author Renata Cafardo
Por Renata Cafardo

Apesar de alguns avanços, o lugar de nascimento, família e a raça de uma criança definem se ela terá ou não um bom professor no Brasil. Números mostram a crueldade da desigualdade que deveria estar sendo combatida justamente com educação - mas que a escola ajuda a perpetuar.

PUBLICIDADE

A probabilidade de uma criança da classe alta estudar com um professor que tenha mais de 15 anos de experiência, algo crucial para o desempenho do estudante, é 30 pontos porcentuais acima do que uma da classe baixa. Com relação a um professor que tenha cursado pós-graduação, são 20 pontos porcentuais a mais. A desigualdade se aprofunda para alunos pretos, sempre em desvantagem, até entre os mais pobres.

É o que mostra a pesquisa da professora da Fundação Getulio Vargas Lara Simielli, que será publicada em breve na revista científica International Journal of Educational Development. Lara analisou questionários respondidos por professores e alunos em avaliações nacionais.

Mesmo com o crescimento nos últimos anos no número de professores com ensino superior, chegando à quase totalidade, os que restam estão concentrados em regiões mais vulneráveis. Alunos da zona rural têm 93% menos chances de ter um professor com essa formação do que os da área urbana.

Biblioteca em escola particular para classe alta no Rio de Janeiro Foto: PEDRO KIRILOS

Crianças nascidas nos Estados amazônicos também estão em desvantagem. Quem estuda no Amapá tem 70% menos probabilidade de ter aulas com um professor com curso superior do que um aluno de São Paulo.

Publicidade

Quando, na largada, um já sai muitos pontos atrás do outro, não é possível esperar resultados semelhantes. Em países reconhecidos pela educação de qualidade, como Finlândia, Estônia e Noruega, há pouquíssima diferença de desempenho no Pisa, avaliação internacional feita pela OCDE, entre alunos pobres e ricos. Já no Brasil, a nota de um aluno preto no Pisa é tão mais baixa que a de um branco que a diferença equivale a dois anos de escolaridade.

Mesmo em sociedades mais igualitárias que a brasileira, as políticas públicas se importam em mitigar as diferenças quando elas surgem. Escolas distantes do centro recebem mais dinheiro, melhores professores e diretores ganham incentivo para trabalhar em regiões vulneráveis, que também têm mais materiais e estrutura.

A educação precisa olhar para a falta de igualdade de oportunidades. Em recente política de alfabetização, lançada pelo Ministério da Educação (MEC), anunciou-se prêmios para as melhores escolas e professores, mas o Brasil não terá todas as crianças lendo e escrevendo plenamente se não voltar a atenção para quem está lá atrás no ranking.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.