PUBLICIDADE

Unicamp afasta professor envolvido em briga com alunos

Decisão foi anunciada nesta quarta-feira por conselho do Instituto de Matemática da instituição paulista. Docente diz ter sido vítima de agressão de estudantes

Foto do author José Maria Tomazela
Por José Maria Tomazela
Atualização:

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) afastou, nesta quarta-feira, 4, o professor que teria ameaçado um aluno com uma faca, na terça, 3, durante manifestação dos estudantes. A decisão foi anunciada em nota assinada pelo presidente do Conselho Interdepartamental do Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica (Imecc), Ricardo Miranda Martins.

PUBLICIDADE

O professor Rafael de Freitas Leão permanecerá afastado das atividades didáticas durante todo o segundo semestre de 2023. O docente, por meio do seu advogado, negou as acusações contra ele e disse que se defendeu ao ser agredido pelos alunos.

Na terça, o Imecc já havia divulgado nota de repúdio contra a atitude do professor. O Instituto também subscreveu a nota divulgada pela reitoria da Unicamp sobre o episódio e disse “lamentar e repudiar os atos de violência praticados por um de nossos docentes durante a paralisação das atividades discentes”.

Estudantes denunciaram tentativa de agressão com faca por professor. Na imagem, funcionário remove a faca durante a briga na Unicamp Foto: @MonicaSeixas via X

Diretores de departamentos da Unicamp teriam pressionado a reitoria para o afastamento imediato do professor acusado de tentar agredir com uma faca um estudante e de usar spray pimenta contra outro.

Em nota, a Polícia Civil do Estado de São Paulo informou que o professor foi qualificado pela autoridade civil como vítima de lesão corporal e incitação ao crime. O caso foi encaminhado ao Juizado Especial Criminal (Jecrim). “A Polícia Civil está à disposição para formalização de novas denúncias e ressalta que novos fatos podem ser anexados ao TC (Termo Circunstanciado) para apreciação do Poder Judiciário e análise do Ministério Público.

Processo pode resultar em demissão

A Unicamp anunciou a abertura de um processo administrativo disciplinar contra o professor. O processo será conduzido por uma Comissão Processante Permanente (CPP) e pode culminar com a demissão do docente. A medida, considerada extrema, foi anunciada nesta quarta-feira, 4.

O reitor explicou que a decisão para adotar o procedimento administrativo levou em conta “a materialidade verificada e a autoria definida”. Segundo ele, o relatório elaborado pela Secretaria de Vivência nos Campi (SVC), órgão responsável pela segurança na universidade, revelou que o professor portava a arma e o spray quando abordou o aluno. “O que aconteceu foi de extrema gravidade. É inadmissível, sob qualquer ponto de vista. Na verdade, é um dos episódios mais tristes da história da Unicamp”, disse.

Publicidade

Segundo ele, o professor terá amplo direito de defesa e os prazos processuais previstos serão respeitados. “A gente tem de lamentar, mas não apenas lamentar. Temos de tomar providências para garantir que episódios como esses jamais voltem a acontecer.” Meirelles pediu a compreensão da comunidade para os prazos do processo. “Reconheço a legitimidade do movimento estudantil e respeito seus pleitos, mas a instituição deve seguir protocolos e prazos. Quero deixar claro que não será usado nesse processo nenhum procedimento protelatório”, disse.

A CPP tem prazo de 60 dias, contados da abertura do processo disciplinar, podendo ser prorrogada por igual período, para chegar a uma conclusão. A partir da instauração do processo, o docente fica afastado da totalidade de suas atribuições funcionais.

Sobre a segurança no campus, Meirelles disse que as normas internas de segurança da universidade estão em constante revisão, mas podem ainda ser aperfeiçoadas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.