PUBLICIDADE

Publicidade

Clubes lançam manifesto em defesa do basquete e cobram da CBB ‘reconstrução’ de acordo com a LNB

Flamengo é a única equipe a não assinar documento que pede diálogo em tentativa de reconciliação em prol do desenvolvimento da modalidade no País

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O impasse entre a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) e a Liga Nacional de Basquete (LNB) persiste. Diante da demora da entidade em transparecer os próximos passos após a aprovação pela Assembleia Geral do rompimento do vínculo com a organizadora do Novo Basquete Brasil (NBB), os clubes vinculados à LNB lançaram um manifesto nesta quarta-feira para reafirmar seu compromisso com o desenvolvimento da modalidade no País. Apenas o Flamengo não assinou o documento.

PUBLICIDADE

Ao todo, 21 clubes firmaram o manifesto. O Flamengo pretende discutir o tema internamente antes de definir o apoio ao documento. No texto, as agremiações filiadas à LNB explicam, em diversos pontos, suas ações conjuntas para alavancar o basquete brasileiro.

“Somos instados a reafirmar nossas convicções e crenças e a ratificar nossa opção pela autogestão e de escolher nossos próprios caminhos. Por isso, diante da nossa responsabilidade no desenvolvimento do basquetebol, na formação de atletas, conquista de fãs e resultados das equipes e seleções, vimos por meio deste manifestar nosso compromisso irrestrito em manter a LNB na condução do Campeonato Brasileiro de Basquetebol, hoje intitulado NBB, e demais competições que organizamos com autonomia legal, profissionalismo e transparência”, reza trecho do manifesto.

NBB tem investido nas transmissões pela web para reunir novos fãs. Foto: Wilton Junior/Estadão

Os clubes também cobram da CBB uma reaproximação a fim de encerrar as polêmicas e reconstruir a relação entre os dois grupos. “Esperamos portanto, da CBB, a reconstrução de uma pauta sinérgica com a LNB e todo o ecossistema do basquetebol, cumprindo o pactuado entre as instituições e trabalhando conjuntamente no intuito da construção de uma modalidade cada vez mais popular e de melhor qualidade para o Brasil”, finaliza o texto.

ENTENDA A POLÊMICA

No fim de agosto, a LNB resolveu abrir um processo contra a CBB por não respeitar o direito da Liga de indicar o representante do País na disputa do Sul-Americano. A alegação é que houve quebra em acordo para a escolha do representante nacional.

A CBB indicou a Liga Sorocabana para a disputa do Campeonato Sul-Americano, contrariando a LNB, que gostaria que o Paulistano fosse o representante nacional. A FIBA das Américas confirmou que a Liga Sorocabana foi escolhida uma das quatro representantes na atual edição do Sul-Americano, ao lado de Bauru, Unifacisa e São Paulo, em competição que termina em dezembro.

Desde o dia 14 de setembro, há quase dois meses, quando estourou e se tornou pública a briga entre as entidades, já era sabido que o contrato com a LNB seria rompido. Em outubro, a Assembleia Geral da CBB se reuniu e votou favoravelmente ao rompimento do acordo, com placar de 55 a 5. Desde então, não houve avanço nas negociações entre os clubes e a entidade, causando preocupação nas equipes, que decidiram cobrar a CBB publicamente em uma tentativa de aproximação.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.