Publicidade

Despedida de Dagoberto pode ter sido no clássico

Atacante, que já tem um pré-contrato assinado com Inter, decepcionou contra o Palmeiras e não deve ser usado domingo

PUBLICIDADE

Por Bruno Deiro
Atualização:

A fraca atuação no clássico com o Palmeiras pode ter sido o último jogo de Dagoberto como titular do São Paulo. A volta de Lucas contra o Santos, domingo, é a deixa para que Leão coloque no banco o artilheiro do time na temporada (22 gols), que tem pré-contrato assinado com o Inter e deve sair após o Brasileiro - ontem, dirigentes do clube gaúcho, em passagem pela capital paulista, se reuniram com integrantes da diretoria tricolor para acertar detalhes da negociação.Após o treinamento de ontem. Leão deixou transparecer sua insatisfação, mas evitou comentar a birra de parte da torcida com a suposta falta de empenho do atacante nesta reta final. "Quem pode responder a esta pergunta é o próprio Dagoberto", disse Leão, que negou deixar o camisa 25 fora da partida. "Ninguém está descartado para a partida contra o Santos. Escalação é outra história. Ele já ficou no banco comigo em outro jogo. Vou botar em campo aquilo que tenho de melhor no momento."Dagoberto foi barrado na derrota para o Atlético-PR por 1 a 0, em Curitiba, há duas semanas. Após a partida, o atacante chegou a dizer que ficou no banco por ordem do presidente Juvenal Juvêncio, para evitar problemas diante da torcida do ex-clube, mas o próprio Leão garantiu que tomou a decisão por questões técnicas. Logo que chegou ao São Paulo, Leão teve uma conversa com Dagoberto e ficou convencido de que o atacante iria se dedicar ao máximo enquanto estivesse no clube. Nas entrevistas, o técnico era enfático ao defender o atacante. Após os últimos jogos, no entanto, a relação entre os dois ficou mais distante.Sem preocupação. Leão deu ontem mais uma mostra de que está confiante na renovação para 2012. "Eu tô com cara de preocupação? Não precisa. As duas partes estão cumprindo com o prometido", respondeu o técnico, ao falar sobre a questão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.