PUBLICIDADE

Argentina bate França nos pênaltis com brilho de Messi em final histórica e é tricampeã mundial

Craque marca duas vezes e conquista sua primeira Copa do Mundo aos 35 anos; Mbappé anota três gols, mas fica com o vice

Foto do author Ricardo Magatti
Por Ricardo Magatti
Atualização:

ENVIADO ESPECIAL A DOHA - Meses antes de disputar o Mundial da Rússia, em 2018, Ángel Di María afirmou que o futebol devia uma Copa do Mundo a Lionel Messi. O problema foi resolvido quatro anos mais tarde, no Catar. O camisa 10 concluiu sua trajetória em Mundiais com a taça que buscou durante 16 anos e que pôde, enfim, erguer após a dramática vitória da Argentina sobre a França nos pênaltis, após 2 a 2 no tempo normal e 3 a 3 na prorrogação. Foram os primeiros sul-americanos a erguer o troféu desde o penta do Brasil, em 2002.

PUBLICIDADE

Di María e Messi se destacaram no triunfo que deu à equipe argentina o terceiro título mundial, encerrando um jejum de 36 anos sem conquistar o maior torneio de futebol do planeta. O camisa 11 sofreu o pênalti que o camisa 10 converteu e depois marcou um bonito gol nascido em trama coletiva. Na prorrogação, Messi, já sem Di María em campo, fez como um centroavante, aproveitando rebote, o gol mais importante de sua extraordinária carreira. Mas Mbappé empatou em seguida e a decisão foi definida nas penalidades.

Na disputa na marca da cal, o protagonista foi o provocador, irreverente e competente goleiro Emiliano Martínez. Ele pegou a cobrança de Coman, viu Tchouameni chutar para fora e assistiu a Messi, Dybala, Paredes e Montiel acertarem todas as cobranças. O goleiro disse que morreria para dar a Messi um título mundial. Seguramente está feliz agora. Messi foi o primeiro a bater.

A Argentina tornou-se tricampeã e a França se manteve com duas conquistas. Mas os franceses saem de cabeça erguida pelo que exibiram no segundo tempo. Tiraram uma desvantagem de dois gols graças ao seu craque, Mbappé, com dois gols num intervalo de dois minutos. O camisa 10 francês terminou como artilheiro do Mundial, com oito bolas na redes, mas o craque do torneio foi Lionel Messi.

Di María e Messi têm trajetórias semelhantes no futebol. Saíram de Rosario, são canhotos habilidosos, receberam críticas no passado por não jogar na seleção o mesmo futebol que apresentavam nos clubes e vestiram a camisa do Paris Saint-Germain - Messi ainda a veste.

Messi comemora seu primeiro título mundial. Foto: REUTERS / REUTERS

Os dois tiveram exibição perfeita no primeiro tempo e comandaram o que parecia ser um triunfo contundente na finalíssima. Numa reviravolta improvável, foram ofuscados na etapa final por Mbappé, que viveu noite de gênio e sairá do Catar ainda maior do que quando chegou. Mas os sul-americanos sorriram no final.

Os argentinos suplantaram com certa facilidade o sistema defensivo francês na etapa inicial, com um gol de pênalti de Messi e outro de contra-ataque concluído por Di María, o protagonista da partida até Mbappé desequilibrar.

Publicidade

O roteiro foi modificado depois dos 30 minutos do segundo tempo. Mbappé havia sido anulado pelos defensores argentinos no primeiro tempo. No entanto, beneficiado pelas mexidas do técnico Didier Deschamps, mudou com dois gols em um período de dois minutos a história do jogo quando ele se encaminhava para o fim ao anotar um de pênalti e outro em bonita finalização rasteira.

Messi e Mbappé continuaram a jornada de brilho no tempo extra. O argentino fez o terceiro no início do segundo tempo da prorrogação, aproveitando rebote de Lloris. Mas o francês reapareceu para guardar mais um de pênalti, cometido pelo lateral Montiel, que se atirou com o braço na bola.

Jogadores da Argentina se preparam para a disputa de pênaltis na final da Copa do Mundo. Foto: REUTERS/Molly Darlington

FINAL HISTÓRICA

Empurrada por milhares de argentinos nas arquibancadas do Lusail, a “Scaloneta”, apelido do time treinado por Lionel Scaloni, fez um jogo de amplo domínio sobre os franceses nos 45 minutos iniciais. Os sul-americanos massacraram os europeus, o que ficou evidente pelo número de finalizações: seis, sendo três em direção ao gol, diante de nenhuma do então atual campeão mundial.

PUBLICIDADE

Scaloni confiou em Di María, o escalou como titular pela primeira vez no mata-mata e foi recompensado. Titular e aparentemente com menos dores no quadríceps, o camisa 11 fez uma partida irretocável até sair de campo ovacionado aos 19 minutos da segunda etapa. As palmas foram resultado da exibição de brilho.

Aos 20 minutos, sofreu pênalti que Lionel Messi converteu com categoria, deslocando Lloris. Aos 36, finalizou o que foi uma aula de contra-ataque da Argentina. O lance começou com Mac Allister, teve participação de Messi, toque de Álvarez e foi concluído por Di María de perna esquerda por debaixo do goleiro francês. O meia chorou depois de ir às redes. Talvez por lembrar das lesões que tanto o incomodaram na Copa. Talvez por ser de novo decisivo. Foram dele os gols do título na final olímpica em 2008 e na final da Copa América sobre o Brasil em 2021.

story
Mbappé e Messi duelam na final da Copa do Mundo entre França e Argentina. 

Di María foi importante para o amigo Messi quebrar mais recordes. Único a marcar em todas as fases de uma Copa do Mundo, o craque argentino igualou e passou Pelé ao anotar seu 13º gol em Copas.

O jogo era fácil a ponto de os argentinos gritarem “olé” nas arquibancadas depois dos 30 minutos da etapa final. A Argentina tocava a bola e sustentava com tranquilidade o resultado no segundo tempo. Até que tudo começou a mudar aos 33 minutos, quando Mbappé apareceu e as mudanças de Deschamps deram resultado. Muani e Coman, em especial, tiveram papel importante na remontada francesa.

Publicidade

Otamendi derrubou Muani, que entrou no lugar de Giroud ainda na primeiro tempo, dentro da área. Mbappé converteu no canto direito e deixou os franceses vivos aos 34. Aos 36, Messi perdeu a bola no lado direito para Coman e a bola chegou até Mbappé. O astro do PSG provou ser fora de série e empatou a partida com um chute letal no canto esquerdo.

Mbappé demorou a 'acordar', mas mostrou seu poder decisivo na decisão da Copa do Mundo entre França e Argentina. Foto: ODD ANDERSEN / AFP

MBAPPÉ TEM ESTRELA

Decisivo para o título de sua seleção em 2018, na Rússia, o astro francês mostrou que tem estrela e se despediu como artilheiro do torneio, com oito gols. Além disso, repetiu Vavá, Pelé, Breitner e Zidane e virou o quinto jogador a marcar em duas finais de Copas do Mundo.

Como contra a Holanda nas quartas, a Argentina “morreu” nos minutos finais. Passou de dominante a dominada porque as pernas não corriam mais como antes e o aspecto mental também pesou após os gols franceses. Ocorre que os sul-americanos têm Messi. No segundo tempo de uma nervosa prorrogação, ele brilhou de novo ao marcar um gol de camisa 9, aproveitando rebote de Lloris em jogada que ele mesmo havia começado. No entanto, os franceses têm Mbappé, que igualou mais uma vez o marcador com um novo gol de pênalti. Nos pênaltis, os argentinos foram perfeitos e deram a Messi a Copa que lhe faltava.

ARGENTINA 3 (4) X 3 (2) FRANÇA

ARGENTINA: Emiliano Martínez; Molina (Montiel), Romero, Otamendi e Tagliafico (Dybala); De Paul (Paredes), Enzo Fernández, Mac Allister (Pezzella) e Di María (Acuña); Messi e Julián Álvarez (Lautaro Martínez). Técnico: Lionel Scaloni.

FRANÇA: Lloris; Koundé (Disasi), Varane (Konate), Upamecano e Théo Hernández (Camavinga); Tchouaméni, Rabiot (Fofana) e Griezmann (Coman); Dembélé (Muani), Giroud (Thuram) e Mbappé. Técnico: Didier Deschamps.

Gols: Messi, aos 23, e Di María, aos 36 minutos do primeiro tempo. Mbappé, aos 34 e aos 36 minutos do segundo tempo. Messi, aos quatro, e Mbappé, aos 13 do segundo tempo da prorrogação.

Cartões amarelos: Enzo Fernández, Rabiot, Thuram, Giroud, Acuña, Paredes, Montiel, Martínez.

Publicidade

Público: 88.966 torcedores.

Árbitro: Szymon Marciniak (Polônia).

Local: Estádio Lusail, no Catar.

Jogadores da Argentina comemoram gol de Messi na prorrogação da final da Copa do Mundo. Foto: REUTERS/Lee Smith
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.