PUBLICIDADE

Publicidade

Câmara vai aprovar regime diferenciado para Copa, diz Orlando Silva

Ministro do Esporte reforça que intenção do Governo é acelerar o processo de licitações

Foto do author Leonencio Nossa
Por Leonencio Nossa
Atualização:

BRASÍLIA - O ministro do Esporte, Orlando Silva (PC do B), disse que o governo pretende aprovar na Câmara nesta terça-feira a Medida Provisória (MP) que propõe o Regime Diferenciado de Contratações (RDC), para acelerar o processo de licitações para a Copa do Mundo de 2014. Em reunião com o grupo de coordenação política no Palácio do Planalto, o líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), e o líder governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disseram à presidente Dilma Rousseff que é possível aprovar o texto, relatou Silva. Ele e os líderes governistas não integram o grupo de coordenação, mas foram convidados para discutir a MP.Sigilo. Em entrevista logo após a reunião de coordenação, Orlando Silva voltou a rebater as críticas da oposição de que a proposta mantém sob sigilo o valor das obras dos serviços contratados. Ele disse que órgãos de controle, como o Tribunal de Contas da União (TCU), o Ministério Público (MP) e a Controladoria Geral da União (CGU), terão acesso a qualquer momento aos dados das licitações. "O governo quer estimular a concorrência das empresas e fica evidente que não há restrições à informação pública", afirmou.Orlando Silva disse que, na reunião desta segunda-feira, a presidente Dilma ressaltou que o governo trabalha pela transparência das licitações e, ao mesmo tempo, para aumentar a concorrência entre as empresas e reduzir os custos. Ainda segundo o ministro, o clima na Câmara permite a aprovação da MP. Itaquera. Orlando Silva informou também que está conversando com dirigentes do Corinthians sobre o projeto de construção do estádio em Itaquera, na zona leste da capital paulista, para sediar os jogos da Copa de 2014 em São Paulo. A última informação que recebeu de dirigentes do clube é que está havendo empenho do clube para que os valores da obra sejam reduzidos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.