Publicidade

Filha de Eto’o pede prisão do pai por dívida de pensão alimentícia de quase R$ 470 mil

Erika do Rosário Nieves foi declarada filha do ex-jogador em 2022 e recebeu direito de pagamentos, que não foram feitos por ele

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A vida de Samuel Eto’o após a aposentadoria do futebol e como presidente da Federação Camaronesa (FECAFOOT) segue conturbada. Depois de ser condenado por fraude fiscal na Espanha em 2022 e vítima de extorsão durante a Copa do Mundo do Catar, o antigo atacante agora teve prisão pedida por sua filha Erika do Rosário Nieves, de 22 anos. O motivo seria uma dívida de mais de cinco anos de pensão alimentícia, que soma 90 mil euros (cerca de R$ 469,5 mil em conversão direta) de acordo com o jornal Diário de Sevilla.

A jovem tem direito a receber a verba desde fevereiro de 2022, quando foi reconhecida como filha do ex-jogador em uma relação com Adileusa do Rosário. Após um longo processo, foi determinado o valor mensal de 1.400 euros. No entanto, os pagamentos nunca foram feitos, o que acarretou nas denúncias contra Eto’o na justiça.

Eto'o já foi condenado por fraude fiscal e agora enfrenta mais um problema na justiça. Foto: Reprodução Twitter/Konyaspor

PUBLICIDADE

O advogado Fernando Osuna, que defende Erika, ressaltou que o camaronês já tem condenações, como a própria por fraude fiscal, e que, além do caso com a filha configurar uma reincidência, ainda teria o adicional de abuso de autoridade, “dada a superioridade que tem sobre ela”, diz o jurista.

“Ele deve à filha mais de cinco anos de pensão e continua desafiando a justiça”, comentou Osuna. “As finanças de Erika estão precárias, enquanto Eto’o vive no luxo”. O ex-atacante, inclusive, já até estendeu seu mandato como presidente da FECAFOOT.

Ainda não há informações sobre como será o desenrolar do caso e se a denúncia será aceita. Se acarretar em julgamento, ele será realizado em Madrid, segundo a mídia espanhola. Eto’o ainda não se pronunciou até o momento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.