PUBLICIDADE

Neto detona jogadores da seleção brasileira após derrota para Argentina: ‘Geração perdedora’

Apresentador da Band critica Fernando Diniz, Neymar, Ednaldo Rodrigues e diz que os convocados são ‘medíocres’

Foto do author Redação
Por Redação

Os jogadores da seleção brasileira foram alvos da fúria de Neto, apresentador da Band. O ex-jogador abriu o seu programa os Donos da Bola revoltado com os atletas depois da derrota por 1 a 0 para a Argentina, a terceira seguida sofrida pelo Brasil nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2026.

PUBLICIDADE

O apresentador e ex-jogador fez críticas a Ednaldo Rodrigues, presidente da CBF, e ao elenco convocado pelo técnico Fernando Diniz, composto por “jogadores medíocres”, na visão do apresentador da Band.

“Uma geração perdedora, vocês não são jogadores que a gente tem que parar pra assistir. São jogadores que não têm responsabilidade com absolutamente nada, nem socialmente falando. Jogadores que não têm um mínimo de noção”, criticou o ex-jogador do Corinthians.

Neto desaprovou atletas de quase todas as posições. “Temos um centroavante que em duas Copas não fez um gol, um goleiro que não fez defesa e laterais que não sabem cruzar”, afirmou, revoltado, fazendo menção a Gabriel Jesus, Alisson, Emerson Royal e Carlos Augusto, respectivamente.

Diniz também foi alvo da revolta de Neto. “É um treinador que não entende a situação do futebol brasileiro”, argumentou. Até Neymar, que não jogou porque se recupera de cirurgia depois de romper o ligamento cruzado do joelho esquerdo, foi detonado pelo comunicador.

“Se vocês têm o Neymar como ídolo, me desculpem, mas vocês não tem a noção do que é ser ídolo. Ídolo são o Messi e o Cristiano Ronaldo”, defendeu. Para Neto, o astro argentino teve atitude elogiável ao tirar seus companheiros de campo assim que a Polícia Militar começou a bater nos argentinos nas arquibancadas do Maracanã.

A CBF, claro, não foi poupada dos questionamentos. E não só por permitir argentinos e brasileiros juntos nas arquibancadas do clássico, mas por decisões nas últimas duas décadas que o apresentador relembrou. “A minha cabeça é pedida na Band há mais de 20 anos”, disse.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.