Publicidade

Análise|Palmeiras faz péssimo primeiro tempo, mas Endrick resolve e time de Abel vai à final do Paulistão

No retorno ao Allianz Parque, equipe alviverde derrota o Novorizontino por 1 a 0 e decide o título contra o Santos; clube quebra recorde e chega à quinta decisão Estadual consecutiva

PUBLICIDADE

Foto do author Rodrigo Sampaio
Atualização:

O Palmeiras está na final do Campeonato Paulista pelo quinto ano consecutivo, um recorde na história do clube. No retorno ao Allianz Parque após a instalação do novo gramado sintético, o time de Abel Ferreira derrotou o Novorizontino por 1 a 0, nesta quinta-feira, e vai decidir o título em clássico contra o Santos. Depois de um péssimo primeiro tempo, a equipe alviverde contou com a estrela de Endrick, que confirmou a grande fase depois de marcar pela seleção brasileira contra Inglaterra e Espanha, e se aproveitou das mexidas ruins do técnico Eduardo Baptista, comandante adversário.

A final do Paulistão 2024 acontece nos próximos dois domingos, dias 31 de março e 7 de abril, ambos às 18h (horário de Brasília). Depois de jogar a semifinal na Neo Química Arena, casa do Corinthians, e disputar partida da fase inicial no MorumBis, reduto do São Paulo, o Santos anunciou nesta quinta que vai utilizar a Vila Belmiro, estádio com capacidade para um público menor, no primeiro jogo da decisão. Por ter a melhor campanha, o time alviverde faz a segunda partida em casa.

Endrick fez o gol da vitória do Palmeiras sobre o Novorizontino. Foto: Guilherme Veiga/Ag. Paulistão

Primeiro tempo para esquecer

PUBLICIDADE

Usando um uniforme todo branco, parte de uma ação contra o ódio no futebol, o Palmeiras pôde contar com Endrick, Murilo e Raphael Veiga entre os titulares, dois dias depois de o trio servir a seleção brasileira na Data Fifa — o atacante de 17 foi destaque contra Inglaterra e Espanha. Richard Ríos, que estava com a Colômbia, e Gustavo Gómez, voltando de lesão, ficaram no banco. Já Eduardo Baptista colocou em campo o mesmo time que despachou o São Paulo, nas penalidades, no MorumBis, incluindo o camisa 10 Rômulo, que vai se transferir para o Palmeiras ao fim do Paulistão.

A partida também marcou a estreia do novo gramado sintético do Allianz Parque. Utilizando antes um termoplástico, o campo agora tem cortiça orgânica em sua composição. Curiosamente, os primeiros minutos da partida foram de bastante estudo por parte de ambas as equipes. O Palmeiras buscou ficar mais com a bola e apostou nas bolas esticadas para Flaco López, artilheiro do Paulistão, mas levou pouco perigo. O time de Abel Ferreira errou passes fáceis, deixou buracos no meio campo e quase não chutou a gol. Um dos piores 45 minutos da equipe no ano.

O Novorizontino foi a antítese do Palmeiras na etapa inicial. Escalado com três zagueiros, o time do interior demostrou aplicação na marcação, encaixotando Endrick, e aproveitou os espaços para criar jogadas importantes de contra-ataque. A equipe de Eduardo Baptista perdeu pelo menos quatro boas oportunidades, colocando Weverton para trabalhar em cobranças de escanteio e chutes de fora da área. Rômulo ditou o ritmo do meio-campo e foi a peça-chave para organizar a chegada dos visitantes ao ataque.

A estrela de Endrick

Na volta do intervalo, Eduardo Baptista desmontou o esquema com três zagueiros do Novorizontino, enquanto Abel Ferreira não modificou o Palmeiras, mas foi notável a mudança de postura. Mais “brigador”, a equipe alviverde continuou apostando em jogadas conhecidas, como as bolas esticadas para Flaco López — mas desta vez funcionou! Aos sete minutos, o argentino escorou lançamento de Mayke e encontrou Endrick livre na grande área. A joia alviverde confirmou a grande fase e colocou os donos da casa à frente do placar.

A partida ganhou contornos de tensão após o gol alviverde. Nervoso, o time do Novorizontino passou a reclamar de faltas e arrefeceu a aplicação tática. Aníbal Moreno, sumido no primeiro tempo, ajudou o Palmeiras a ganhar disputas no meio-campo e a equipe de Abel Ferreira passou a tomar conta do jogo. Endrick precisou ser substituído por Rony após sentir um problema na coxa direita, o mesmo do qual reclamou no duelo contra a Espanha.

Publicidade

Eduardo Baptista precisou repensar mais uma vez a parte tática e foi para cima, tirando jogadores de defesa para empilhar atacantes. A mudança não teve efeito e o os donos da casa continuaram soberanos na marcação, com destaque para a boa partida de Murilo, e criando lances de perigo pela faixa central, especialmente com López. O time de Abel tentou ampliar o placar até o último minuto, mas o placar não sofreu mais alterações até o apito final.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 1 X 0 NOVORIZONTINO

PALMEIRAS - Weverton; Marcos Rocha, Luan, Murilo e Piquerez; Aníbal Moreno, Zé Rafael (Gabriel Menino), Mayke e Raphael Veiga (Lázaro); Endrick (Rony) e Flaco López (Richard Ríos). Técnico: Abel Ferreira.

NOVORIZONTINO - Jordi; Cesar Martins, Luisão (Paulo Vitor) e Chico (Danilo Barcelos); Willeam Lepo, Geovane (Fabrício Daniel), Marlon, Rômulo e Reverson; Neto Pessoa (Lucca) e Waguininho (Rodrigo Soares). Técnico: Eduardo Baptista.

ÁRBITRO - Edina Alves Batista

GOLS - Endrick, aos sete do segundo tempo

Publicidade

CARTÕES AMARELOS - Richard Ríos (Palmeiras); Luisão e Fabrício Daniel (Novorizontino)

PÚBLICO - 40.448

RENDA - R$ 3.497.749, 50

LOCAL - Allianz Parque, em São Paulo (SP)

Análise por Rodrigo Sampaio

Repórter de Esportes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.