PUBLICIDADE

Publicidade

Prefeitura diz que não liberou contêiner para ser utilizado como dormitório

Administração municipal do Rio contesta declarações do CEO do Flamengo, Reinaldo Belotti

PUBLICIDADE

A Prefeitura do Rio divulgou uma nota, na tarde deste domingo, 10, contestando declarações do CEO do Flamengo, Reinaldo Belotti, sobre o incêndio no alojamento que matou dez jogadores da base entre 14 e 16 anos e feriu outros três. O órgão disse que não é verdadeira a informação de que a instalação foi certificada pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente para ser utilizada como dormitório. Por causa disso, segundo o órgão, uma investigação será aberta na próxima semana e o Flamengo terá que responder por tais práticas.

A prefeitura acrescentou que a afirmação “é infundada” por não estar dentro das atribuições do órgão.“Qualquer declaração contrária carece de provas documentais e/ou testemunhais”, disse, por meio de nota.

Incêndio no Ninho do Urubu matou 10 garotos em fevereiro de 2019 Foto: Fabio Motta/ Estadão

PUBLICIDADE

Segundo o órgão, o empreendimento do tipo Centro de Treinamento (CT) é obrigado a seguir exigências técnicas, envio de documentos, obtenção de licenças de vários órgãos fiscalizadores de diferentes entes da Federação. “Conforme depoimento do próprio CEO do Flamengo, em entrevista coletiva dada ontem (sábado), ele admitiu não possuir a aprovação do Corpo de Bombeiros e nem das secretariais municipais de Fazenda e Urbanismo. Portanto, o CT e o contêiner não poderiam estar operando”, informou a Prefeitura.

Porém, informou que, no âmbito da Secretaria Municipal de Urbanismo, a fiscalização da primeira fase (documental) está “rigorosamente” em dia. Mas a licença, segundo a Prefeitura, permitia apenas a construção de prédios e não a sua utilização. O documento tinha validade até março de 2019.

“O Flamengo pôs os prédios do CT Ninho do Urubu em operação sem o Habite-se, o que impediu a vistoria por parte dos técnicos da secretaria de Urbanismo”, explicou.

A prefeitura ressaltou que o Código de Obras e Edificações da cidade estabelece que a responsabilidade pelo projeto e execução das obras e instalações “cabe exclusivamente aos profissionais que os assinaram”. “Significa que cabe ao engenheiro responsável técnico a responsabilidade pelo projeto em execução. Os mesmos serão chamados a prestar esclarecimentos”, informou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.