PUBLICIDADE

Santos: Marcelo Teixeira se reúne com WTorre para garantir projeto da nova Vila Belmiro

Mandatário trata reforma do estádio santista como uma das prioridades para gestão que começa em janeiro

Foto do author Redação
Por Redação

Eleito presidente do Santos no sábado, Marcelo Teixeira se reuniu nesta quarta-feira com Marco Siqueira, CEO da WTorre, e outros representantes da empresa brasileira de engenharia para garantir a continuidade do projeto da nova Vila Belmiro, costurado durante a gestão de Andrés Rueda, que deixa o cargo em janeiro. Mesmo com planos de levar mais jogos para o Pacaembu e até para outros locais do Brasil onde o clube alvinegro é popular, Teixeira já falava em sua campanha eleitoral que a ampliação do estádio era uma de suas prioridades.

PUBLICIDADE

“O futuro para o Santos é grande, apesar do momento histórico difícil. A gente sabe que o que vem à frente é muito maior”, disse Siqueira, em vídeo publicado pelo Santos. “Nosso compromisso com o Santos Futebol Clube, com sua torcida e com a cidade, ele permanece e está vivo. Não só vivo como maior do que é, e o que a gente vê agora para 2024, já para o início, é o seguimento desta parceria entre WTorre e Santos Futebol Clube”, concluiu.

A diretoria do Santos assinou, em setembro, um Memorando de Entendimento com a WTorre para construir seu novo estádio. A futura arena terá capacidade para receber 35 mil torcedores, muito superior ao limite atual, que é de 16 mil. A assinatura liberou o início dos processos para a regularização do projeto e captação de verbas para as obras. Na prática, o clube e a WTorre podem ir em busca da aprovação dos órgãos públicos e de verbas para o investimento, por meio da pré-vendas de benefícios e patrocínios.

Novo presidente do Santos se reúne com a WTorre para dar prosseguimento a projeto de reforma da Vila. Foto: Divulgação/ WTorre

Com a obra da nova Vila Belmiro encaminhada, Teixeira revelou, em entrevista exclusiva ao Estadão, às vésperas das eleições santistas, que o torcedor da capital, do ABC e até do interior terão caminhos mais rápidos para chegar ao estádio. “Alinhamos com o governo do Estado, que vai investir na malha ferroviária, que teremos trens exclusivos, do interior, do ABCD e da capital, em todos os dias de jogos voltados, direcionados e ampliados para atender a torcida”, anunciou.

Nas tratativas, seriam menos de 40 minutos para o deslocamento até a Baixada. “Com (rodovias) Imigrantes e Anchieta estranguladas, com graves problemas de locomoção, nós criamos a opção da malha ferroviária. O projeto já existia, mas demos a solução para dias de jogos. Ela acabará com encontros de torcidas. Será algo fantástico.”

Mesmo com os grandes planos para a Vila, o presidente eleito espera fazer bom uso do Pacaembu. “Com o Pacaembu, que vai ser reaberto em janeiro, estamos negociando e não mudará em nada, faremos jogos lá, a estreia do novo Pacaembu com jogo oficial. Já assinamos a carta de intenção, me comprometi. Vamos fazer o match day no Pacaembu e instalá-lo na construção da nova arena. Pretendemos ter memorial das conquistas nos dois estádios. Faremos interatividade com torcedor no Brasil e no mundo acompanhando nossas atividades. Até da base.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.