PUBLICIDADE

Publicidade

‘Vamos percorrer o caminho do dinheiro’, diz delegado que investiga Corinthians e Vai de Bet

Em entrevista ao ‘Brasil Urgente’, Tiago Fernando Correia aponta possível lavagem de dinheiro

PUBLICIDADE

Por Daniel Vila Nova
Atualização:

“Vamos percorrer o caminho do dinheiro para entender quem está se beneficiando dessa ilegalidade.” Foi o que afirmou o delegado Tiago Fernando Correia, da Delegacia de Crimes Financeiros do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC), ao falar sobre a situação do contrato entre o Corinthians e a Vai de Bet.

A entrevista foi dada ao programa “Brasil Urgente”, do apresentador José Luiz Datena, na tarde desta sexta-feira, dia 07 de junho. O delegado é o responsável pela investigação que busca entender o envolvimento da Neoway Soluções Integradas em Serviços Ltda, suposta empresa laranja, na intermediação do patrocínio.

Datena entrevista o delegado Tiago Fernando Correia sobre o contrato entre Corinthians e Vai de Bet Foto: Reprodução/Brasil Urgente

O Corinthians se tornou pauta do programa do Datena por causa da rescisão de contrato da Vai de Bet, antiga patrocinadora máster do Corinthians, com o clube. A decisão acontece após os polêmicos pagamentos da Rede Media Social Ltda, intermediária do acordo, à Neoway Soluções Integradas em Serviços Ltda, suposta empresa “laranja” cujo CNPJ está no nome de Alex Fernando André, mais conhecido como Alex Cassundé, membro da equipe de comunicação do presidente Augusto Melo. Nesta semana, a Polícia Civil notificou o clube e pediu informações sobre a intermediação do contrato de patrocínio.

PUBLICIDADE

“Nós estamos buscando entender o contexto e o cenário para entendermos como essa empresa, Neoway, foi constituída”, afirmou o delegado. “Tudo indica que a composição dessa empresa fictícia foi feita para a promoção de lavagem de dinheiro e de capitais”, salientou o advogado.

Segundo reportagem publicada na coluna do jornalista Juca Kfouri, no Uol, após os pagamentos da comissão, a Rede Social Media Design repassou parte dos valores recebidos em comissão por meio de PIX à Neoway Soluções Integradas em Serviços Ltda, empresa com endereço na Avenida Paulista que serviria como laranja no acordo.

“Queremos rastrear esse dinheiro para que a gente possa entender quem constituiu essa empresa fictícia de maneira fraudulenta”, afirmou o advogado. Ao ser perguntado se o presidente do Corinthians, Augusto Melo, pode estar envolvido, Correia foi categórico: “Nesse momento inicial das investigações, nem o Augusto Melo ou qualquer diretor do Corinthians são considerados investigados.”

Ao final da entrevista, o delegado ainda indicou que os próximos passos da investigação irão tentar identificar quem está por trás da criação dessa empresa, entender quem se beneficiaria com esses valores e para onde esses valores teriam sido transferidos.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.