PUBLICIDADE

Publicidade

Xavi admite que Messi quis ‘vida mais tranquila’ ao recusar Barcelona e acertar com Inter Miami

Astro argentino expressou desejo de atuar em liga com menor pressão e de poder viver com a família em um ambiente de tranquilidade

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Xavi jamais escondeu seu otimismo em reeditar parceria com Messi no Barcelona. Contudo, o treinador não ficou frustrado com a decisão do amigo em defender as corres do Inter Miami, dos Estados Unidos. Aceitou a escolha, pediu respeito ao craque e desejou boa sorte nesta que pode ser a última empreitada do argentino em sua brilhante carreira.

PUBLICIDADE

O técnico da equipe catalã sempre dizia que tinha um esquema para o retorno do astro e mostrava otimismo pelas conversas com o jogador, então no Paris Saint-Germain. “Nos últimos dias, semanas, notei que ele não via com clareza o seu retorno. Você tem que entender. Ser Messi nunca é fácil, ele nunca tem paz”, disse o técnico em entrevista no canal da Twitch da Jijantes.

A ida de Jorge Messi, pai e representante do camisa 10, ao clube catalão, foi justamente para comunicar a escolha do jogador, apesar de revelar que uma volta à Espanha sempre foi um sonho.

“Temos que respeitá-lo e muitas vezes a gente não tem empatia. Ser Messi é complicado, o foco que tem nele, ele nunca tem tranquilidade, tem que ser sempre 10 em tudo, o melhor em tudo”, afirmou Xavi, pedindo que deem paz ao ídolo. “Ele explicou com naturalidade, passou mal e não quer mais estar aí, sob os holofotes”.

Xavi, hoje técnico, e Messi não vão reeditar parceria no Barcelona Foto: Albert Gea/Reuters

Depois de a nota do Barcelona ter dado uma cutucada em Messi por uma escolha mais segura e sem tanta pressão, Xavi revelou que isso foi passado ao Barcelona. “Ele explicou muito bem que deseja diminuir o nível de pressão e tensão. Ele quer uma vida mais tranquila e familiar”, disse. “É uma decisão pessoal, as circunstâncias não ajudaram (pelo volta), e você tem que respeitar. Eu estava convencido de que iríamos bem com o Leo aqui.”

A ilusão foi gerada pelas tantas conversas que tiveram ao longo dos últimos dias, reconheceu o treinador, que espera não ter gerado expectativa na torcida. “A última coisa que queria era enganar o culé (torcedor do Barcelona). Dependia muito do que o Leo queria. Naturalmente. Desejo-lhe tudo de bom, ele é um amigo, o melhor para ele e sua família, eu os amo muito.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.