PUBLICIDADE

Publicidade

Guarani joga pelo acesso e sonha alto

Projeto é chegar à divisão de elite até 2011, ano do centenário do clube

PUBLICIDADE

A um passo de conquistar o acesso à Série B do Campeonato Brasileiro - basta vencer o Águia de Marabá-PA, hoje, às 19 horas, no Estádio Brinco de Ouro, em Campinas -, o Guarani vive um momento especial, tentando deixar para trás anos de decepções. O clube segue mergulhado numa profunda crise financeira, mas já vislumbra dias melhores. A rodada de hoje também define as últimas três vagas na Série B de 2009. O único já garantido é o Atlético-GO. Na Série A1 do Paulista e a caminho da Série B do Brasileiro, igualando-se novamente à sua mais tradicional rival, a Ponte Preta, o Guarani já sonha alto. Pelo menos o seu presidente, Leonel Martins de Oliveira. "Em 2011 chegaremos ao centenário e nosso objetivo é a Série A do futebol brasileiro", diz. Para isso, o clube terá, além de conquistar o acesso hoje, de buscar a vaga na divisão de elite em, no máximo, dois anos. "Estamos dando um passo de cada vez, porque o clube estava numa situação lamentável, sem crédito e sem credibilidade. Convidar alguém para jogar no Guarani era um castigo, porque o atleta logo imaginava que iria ficar sem receber. Hoje, este cenário mudou. Não pagamos muito, mas também não atrasamos salários", diz o presidente que assumiu o clube em junho de 2006 com a missão de tirar o clube do buraco que havia se enfiado nos últimos anos, quando despencou sucessivamente de divisões e colecionou dívidas que foram parar, inclusive, na Fifa - o clube perdeu três pontos e foi rebaixado para a Série C em 2006. Para a partida decisiva de hoje o Brinco de Ouro deve receber mais de 21 mil torcedores, revivendo tempos de ouro, como da conquista do título de campeão brasileiro de 1978, época de Zé Carlos,Renato, Zenon, Careca e companhia. Para não depender de nenhum outro resultado, o Guarani precisa vencer o Águia-PA, já que ambos têm 18 pontos e, com os três do duelo, o time campineiro eliminaria qualquer chance do adversário. Além disso, o Guarani acabaria também com qualquer esperança do Brasil de Pelotas, que, com 17, enfrenta o Rio Branco, no Acre, e pode chegar aos 20. O Duque de Caxias-RJ é outro que soma 18 e pode se garantir caso vença o duelo contra o Campinense, segundo colocado com 20 e que ainda depende de pelo menos mais um ponto para assegurar o acesso. Ou seja, numa reta final tão embolada, com seis times brigando por três vagas, o sonho bugrino de subir mais um degrau em sua jornada de volta para o futuro passa, necessariamente, pela vitória de hoje. Caso contrário, o projeto pode sofrer um ano de atraso. TIME ESCALADO O técnico Luciano Dias tem duas baixas para essa partida: o zagueiro Xandão, suspenso, e o meia Marcinho. Os substitutos são o zagueiro Valter e o meia Marco Sapucaia. O restante do time está definido com: Gesiel; Maranhão, Valter, Jonatha e Roque; Nunes, Glauber, Marco Sapucaia e Mário César; Dairo e Fernando Gáucho. ESTÁDIO À VENDA Embora esteja perto do acesso e de dias melhores, o presidente do Guarani admite que a única solução para o clube se livrar definitivamente das dívidas é a venda do estádio Brinco de Ouro, localizado em região nobre de Campinas, em plena avenida Princesa D?Oeste. A idéia seria negociar o estádio em troca da dívida total e ainda de uma nova arena em que o clube mandaria seus jogos. A negociação giraria em torno de R$ 240 milhões, sendo R$ 120 mi para um novo estádio, R$ 80 mi para pagamento de dívidas sobrando cerca de R$ 40 mi para montar o time. A arena seria construída no entroncamento das rodovias Anhangüera e Dom Pedro I, entre Campinas e Valinhos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.