PUBLICIDADE

Publicidade

Jogador de hóquei morre após ter pescoço cortado por patins ao levar chute de adversário; veja vídeo

Adam Johnson, de 29 anos, deixou a quadra sangrando em partida do Nottingham Panthers pela Copa dos Campeões; associação exige uso de protetor para evitar novos acidentes

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

AP - A polícia da Inglaterra está investigando a morte do jogador americano de hóquei no gelo Adam Johnson, de 29 anos, do Nottingham Panthers. Ele teve o pescoço cortado pela lâmina do patins ao levar um chute do adversário, no sábado, em partida da Copa dos Campeões, e morreu no hospital. Ele era natural de Minnesota e disputou um total de 13 jogos da National Hockey League (NHL), principal categoria da modalidade nos EUA, com o Pittsburgh Penguins, em 2019 e 2020.

PUBLICIDADE

“Nossos policiais permanecem no local realizando investigações e nossa investigação sobre as circunstâncias que cercam o incidente continua em andamento”, disse a Polícia de South Yorkshire na segunda-feira. “Encorajamos o público a evitar especulações sobre o incidente enquanto continuamos nossas investigações.”

A Associação Inglesa de Hóquei no Gelo (EIHA, sigla em inglês), que rege o esporte abaixo da Liga de Elite, reagiu à morte de Johnson exigindo que todos os jogadores na Inglaterra usassem protetores de pescoço a partir do início de 2024. A entidade deu na segunda-feira a sua “forte recomendação” para o uso da proteção com efeito imediato, mas disse que os protetores de pescoço não seriam obrigatórios imediatamente por causa de problemas previstos de fornecimento. O equipamento será obrigatório a partir de 1º de janeiro.

Adam Johnson em ação pelos Penguins, em 2017, na NHL. Jogador morreu ao ter pescoço cortado depois de levar chute do adversário.  Foto: Paul Vernon/ AP

“É inaceitável que qualquer jogador perca a vida enquanto pratica desporto”, afirmou a EIHA. “Nossa responsabilidade não é apenas evitar a recorrência de um acidente tão doloroso, mas também abordar preventivamente outros incidentes previsíveis no futuro.”

Os jogadores no Reino Unido podem jogar sem protetores de pescoço após completarem 18 anos. Dentro de 12 meses, a EIHA disse que conduziria uma revisão “completa” dos equipamentos de segurança dos jogadores “incluindo, mas não se limitando ao uso de capacetes, protetores bucais/ protetores gengivais e proteção facial”. Todos os clubes terão de demonstrar que “gerem proativamente a segurança dos jogadores”. O órgão disse que suas ações estão alinhadas com o Hóquei no Gelo do Reino Unido e o Hóquei no Gelo Escocês.

“Estamos firmemente comprometidos com a nossa obrigação de esgotar todos os meios possíveis para garantir que um incidente trágico desta natureza nunca mais aconteça ao nosso desporto”, afirmou a EIHA. “Sem dúvida, este momento lança uma sombra sombria sobre a nossa comunidade desportiva global, servindo como um lembrete claro das nossas responsabilidades coletivas como guardiões do desporto. Como em todos os desportos, a segurança dos nossos jogadores deve ter precedência acima de tudo.”

A morte de Adam Johnson repercuti na comunidade do hóquei no gelo. Em partida contra os Anaheim Ducks, nesta segunda-feira, pela NHL, os Penguis entraram no ringue usando capacetes com as letras “AJ” e o número 47, em referência ao jogador e o número de sua camisa. Antes do início do confronto, uma foto em preto e branco do atleta foi exibida no telão enquanto um holofote branco iluminava o centro da quadra. Foi exibido um vídeo de sua estreia na liga e o seu primeiro gol pelo time de Minessota. Os torcedores aplaudiam e os jogadores bateram seus bastões no círculo central.

Publicidade

“É uma tragédia inacreditável”, disse o técnico dos Penguis, Mike Sullivan. “Ele era um ótimo garoto. Foi um privilégio ser seu treinador.” A fabricante de material esportivo Bauer pediu colaboração em torno do esporte para aumentar a conscientização e exigir proteção do pescoço resistente a cortes. “Junto com a comunidade maior do hóquei, lamentamos o trágico falecimento de Adam”, disse o CEO Ed Kinnaly em um comunicado. “Acreditamos que agora é a hora de a comunidade do hóquei se unir coletivamente para tomar medidas significativas de maneira urgente”.

Kinnaly disse que a Bauer está empenhado em educar pais e jogadores sobre a importância de equipamentos resistentes a cortes, trabalhar com atletas profissionais para obter feedback sobre o design de produtos e colaborar com órgãos governamentais como o USA Hockey e o Hockey Canada e organizações juvenis para exigir e reforçar a proteção do pescoço.

O atleta do Washington Capitals, T.J. Oshie, co-proprietário da empresa de equipamentos e roupas Warroad Hockey que leva o nome de sua cidade natal, Minnesota, disse que recebeu cerca de 100 mensagens de texto de outros jogadores perguntando sobre materiais resistentes a cortes e que todo o estoque se esgotou no domingo. “É uma loucura, triste, e não temos mais nada”, disse Oshie após o treino de segunda-feira. “Estamos pensando primeiro na família dele. Tentaremos disponibilizar o máximo de produtos possível para as pessoas.”

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.