PUBLICIDADE

OCDE sugere fim de estímulos para conter inflação

Segundo relatório da organização, as crescentes pressões inflacionárias criadas pelo aumento da demanda doméstica devem ser contidas pelo governo brasileiro

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Danielle Chaves O Brasil precisa desativar "assim que possível" os programas de estímulo fiscal e monetário expansionistas para controlar a inflação, aconselhou hoje a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). A inflação brasileira está atualmente em torno de 5,3%, acima da meta do governo federal para este ano, de 4,5%. Segundo um relatório da OCDE, as crescentes pressões inflacionárias criadas pelo aumento da demanda doméstica devem ser contidas pelo governo brasileiro. E "o recente anúncio de cortes de gastos no orçamento de 2010 é um movimento bem vindo nessa direção". A organização diz ainda que as autoridades monetárias brasileiras estão gradualmente apertando a política, elevando as exigências de reservas dos bancos e as taxas de juros em um movimento para mitigar as crescentes pressões inflacionárias.  Segundo a OCDE, o Brasil vive uma recuperação em forma de "V" desde meados de 2009, com a demanda doméstica impulsionada por "uma política de estímulo sólido" e por gastos com infraestrutura que alimentaram uma forte expansão econômica. O Produto Interno Bruto (PIB) real já estava acima dos níveis anteriores à crise no fim de 2009, diz o relatório.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.