Supermercados vedem 1,46% mais no mês

Nos primeiros dez meses deste ano, as vendas subiram 3,92% em relação ao mesmo período de 2010. Para o setor, o ritmo acumulado neste ano tem se mostrado estável, apesar da ligeira desaceleração em outubro

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Rodrigo Petry As vendas reais nos supermercados cresceram 1,46% em outubro na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo divulgou há pouco a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Em relação a setembro deste ano, o faturamento dos supermercados cresceu 4,71%. Nos primeiros dez meses do ano, as vendas subiram 3,92% em relação ao mesmo período de 2010. Os números estão deflacionados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Segundo a Abras, o ritmo acumulado de vendas neste ano vem se mostrando estável, apesar da ligeira desaceleração em outubro. Para a entidade, as vendas deverão se manter aquecidas nos meses finais de 2011. De acordo com levantamento da Nielsen, realizado a pedido da Abras, o volume das vendas nos supermercados brasileiros teve alta de 2% de janeiro até outubro, na comparação com o mesmo período do ano passado. Esse desempenho representou uma desaceleração no ritmo de crescimento em relação ao observado em igual período de 2011, quando as vendas subiam 7% sobre mesmo intervalo de 2009. A expansão deste ano foi puxada pela alta de bebidas alcoólicas, com alta de 6,3%, e produtos perecíveis, com avanço de 4,7%. Cesta O valor da cesta AbrasMercado, formada por 35 produtos considerados de largo consumo, como alimentos, limpeza e beleza, medido pela GfK, apresentou alta de 1,15% nos preços em outubro ante setembro, para R$ 309,95. Já na comparação com outubro de 2010 o valor da cesta subiu 8,11%. Os produtos com maiores altas em outubro frente a setembro foram cebola (+5,08%), carne dianteiro (+3,98%) e batata (+3,18%). Já as maiores quedas no período ficaram com tomate (-4,18%), xampu (-2,41%) e biscoito maisena (-2,09%). No acumulado do ano, a cesta AbrasMercado tem alta de 0,94%.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.